Tiago Camilo diz que queria ter escrito uma história diferente na Olimpíada

No quinto dia de judô no Rio 2016, Tiago Camilo e Maria Portela são eliminados e nem voltam para repescagem

Por luis.araujo

Rio - A trajetória de Tiago Camilo é repleta de alegrias, tristezas, lesões, cirurgias, derrotas e muitas vitórias. Nesta quarta-feira, o judoca de 34 anos disputou sua quarta edição de Jogos Olímpicos – antes, havia competido em Sydney 2000, Pequim 2008 e Londres 2012. O fim desta longeva carreira olímpica que inspira gerações na modalidade aconteceu na Arena Carioca 2, no Parque Olímpico da Barra, ao ser superado por Mammadali Mehdiyev, do Azerbaijão. 

Tiago Camilo perdeu sua luta contra o atleta do Azerbaijao%2C Mammadali MehdiyevJULIO CESAR GUIMARAES/UOL/NOPP

No quinto dia de combates de judô nos Jogos Olímpicos, os brasileiros ficaram novamente sem ver um atleta nacional no pódio. Pouco antes da eliminação de Camilo, a brasileira Maria Portela foi derrotada pela austríaca Bernadette Graf, sétima colocada no ranking mundial. A torcida brasileira viu pela última vez o estilo de luta tradicional de Tiago Camilo, que lhe rendeu a medalha de prata em Sydney-2000 na categoria leve e o levou ao bronze em Pequim-2008 na categoria dos meio-médios. 

"Nada vai apagar o que conquistei, mas eu queria ter escrito uma história diferente hoje. Fiquei feliz em receber o carinho do púbico. Acho que é um reconhecimento de toda a minha carreira, de tudo que eu construí no esporte, minhas conquistas. Eu queria ter dado mais alegrias para os torcedores", disse Camilo ao final da luta.

Brasileiro venceu sua primeira luta por ippon JULIO CESAR GUIMARAES/UOL/NOPP

O atleta mais experiente do time brasileiro lamenta que os resultados no tatame do Rio 2016 não representam a qualidade técnica dos judocas nacionais. "Todo mundo esperava mais do judô brasileiro. É justa a cobrança, pois temos judocas muito talentosos. Nós vimos grandes atletas e campeões olímpicos ficando sem medalha. É da competição, faz parte dos Jogos Olímpicos. A gente fica triste porque o judô brasileiro é mais do que apresentamos aqui. Poderíamos ter conquistado mais medalhas olímpicas", opina Tiago Camilo. Até o momento, a modalidade subiu uma vez ao pódio, com a dourada Rafaela Silva.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia