Armínio: Levy não faz milagres

Ex-presidente do BC afirmou ontem que o ajuste fiscal será insuficiente para colocar o país na rota do crescimento

Por diana.dantas

O ex-presidente do Banco Central e sócio da Gávea Investimentos, Armínio Fraga, afirmou ontem que o ajuste fiscal do governo será insuficiente para colocar o país na rota do crescimento e estancar o avanço da dívida pública. “Meu amigo (o ministro da Fazenda Joaquim Levy) é extremamente competente, mas milagres não faz”, disse Fraga em seminário sobre crescimento econômico promovido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), no Rio de Janeiro.

Para o ex-presidente do Banco Central (BC) no governo Fernando Henrique Cardoso, o ajuste proposto pelo ministro não vai estancar o processo de endividamento público brasileiro. “É possível que o Brasil caminhe para a recuperação da credibilidade, abandonando as ‘pedaladas’. Porém, o processo de aumento da relação dívida/PIB, não vai ceder. O denominador, que é o PIB, não está crescendo, deve cair esse ano e os juros altos vão pressionar o montante da dívida. É um quadro preocupante”.

Segundo Fraga, o ajuste fiscal proposto pelo governo enfrenta obstáculos como a rigidez do orçamento brasileiro, levando o governo a reduzir investimentos e elevar a carga tributária.
Para Fraga, nos últimos quatro anos o país entrou em processo progressivo de perda de transparência e disciplina na área fiscal. “Temos uma relação dívida/PIB bastante elevada, considerando nossa história e nossa taxa de juros, além de um déficit público nominal de 7% do PIB. E para piorar, o crescimento contínuo dos gastos públicos como proporção do PIB”, disse, acrescentando que esse cenário contribui para elevar o custo do capital brasileiro, afetando a dinâmica da dívida pública.

Fraga observou que o Brasil vive há anos um descompasso econômico. “A demanda cresceu mais que a oferta. Esse desequilíbrio vaza para a inflação e para a balança de pagamentos”. Segundo ele, na ponta da oferta, que representa o investimento e a produtividade, o Brasil é destaque negativo no universo dos países em desenvolvimento.

O ex-presidente do BC ressaltou ainda que a renda per capita brasileira — que representa 20% da renda das economias mais avançadas — deveria crescer num ritmo mais forte. “Hoje ela cresce em média 1% ao ano, quando deveria crescer 3% a 4% sem esforço”.

Fraga criticou a condução do governo Dilma Rousseff em setores estratégicos, como petróleo e energia. No elétrico, “o problema se estende há muito tempo”. Segundo ele, a incerteza em relação à regulação desses segmentos é um forte obstáculo ao desenvolvimento. “O arcabouço regulatório foi prejudicado por políticas pouco profissionais ou enviesadas ideologicamente”, concluiu.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia