Ibovespa segue em tendência positiva

Semana começa com vencimento de opções sobre ações. Divulgação do IPCA-15, ata do Fomc e dados da indústria da China devem centrar atenção dos investidores

Por parroyo

São Paulo - O desempenho do Ibovespa nas próximas sessões deve se assemelhar ao comportamento das duas últimas semanas. A tendência positiva deve ser mantida, mas alguns movimentos pontuais de realização podem acontecer. Nos últimos cinco pregões, entre altas e baixas, o índice acumulou ganho de 1,65%. Neste ano, o resultado está positivo em 4,79%. Na sexta-feira, o principal índice da Bovespa encerrou em alta de 0,22%, aos 53.975 pontos.

Na avaliação do economista-chefe da SulAmerica Investimentos Newton Rosa, o cenário mundial favorece o Ibovespa, uma vez que a Zona do Euro está em expansão, ainda que inferior ao esperado. Os Estados Unidos mantém trajetória de recuperação e a China ainda cresce ao ritmo de 7% ao ano. “Crescimento e juros baixo se traduzem em alta liquidez no mercado, o que favorece a bolsa. O risco para o Ibovespa se resume às tensões na Europa e às eleições no Brasil”, disse.

O índice já deve começar a semana marcado pela volatilidade devido ao vencimento de opções sobre ações na segunda-feira. A divulgação do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA-15) de maio será destaque na quarta-feira. O indicador, prévia do IPCA, deve recuar de 0,78% para 0,58%, de acordo com a LCA Consultores. 

“Esse número será importante, pois mexe com a definição da taxa básica de juros, que pode ser selada em 11%. O último dado do varejo [queda de 0,5% nas vendas de março] consolida a disposição do Banco Central em cessar o ciclo de aperto monetário. Tudo indica que o IPCA-15 deve vir em linha com a desaceleração do IPCA de abril”, disse Rosa.

O IPCA mostrou desaceleração de 0,92%, para 0,67% de março para abril. O Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) se reúne nos dias 27 e 28 de maio para decidir sobre o rumo da taxa de juros básica, atualmente em 11% ao ano.

Entre os eventos externos, nos Estados Unidos, é destaque a divulgação da ata do Fomc, o comitê de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) sobre a última reunião. Na ocasião, a autoridade monetária reduziu em US$ 10 bilhões o programa de compra de títulos, para US$ 45 bilhões mensais, e manteve a diretriz de manutenção da taxa de juros entre zero e 0,25% ao ano.

“O relatório não deve apresentar surpresas. O Fed deve manter a avaliação de que a economia americana está retomando o crescimento, mas ainda não no ritmo adequado para deixar de lado a política monetária expansionista. Os juros só devem ser reajustados no ano que vem”, afirmou Rosa.

A indústria da China também deve ser foco de atenção dos investidores. Na noite de quarta-feira, o Índice Gerente de Compras Industrial do país (PMI, na sigla em inglês) medido pelo HSBC, considerado um termômetro do desempenho da economia chinesa, será divulgado.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia