Busca por crédito segue em marcha lenta

Queda no volume de concessões cai na medida em que os consumidores compram menos e quem precisa de empréstimo está cada vez mais enforcado, dizem especialistas

Por marta.valim

A redução do volume de concessão de crédito — que subiu ligeiramente em abril, mas vem patinando desde novembro do ano passado — é resultado do desaquecimento da demanda, e não de uma menor oferta por parte dos bancos. A opinião é de Érico Ferreira, presidente da Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Acrefi) — e compartilhada por outros representantes do setor financeiro.

“O consumidor não compra, e se não compra, não precisa de financiamento. E não compra porque está desconfiado, segundo mostram diversos índices divulgados recentemente”, diz Ferreira. “Os bancos vivem de dar crédito, não de não dar crédito. A oferta está igual a sempre. O que diminuiu foi a demanda”, afirma. Para ele, a desaceleração vai bater até no crédito imobiliário: “As vendas estão desaquecidas, isso vai ter reflexos nos financiamentos imobiliários dentro de dois meses”, prevê. O crédito imobiliário vinha crescendo cerca de 30% ao ano.

Ferreira admite, contudo, que os bancos continuam interessados em dar empréstimos a bons clientes. E aí, também, reside outro problema: o alto nível de endividamento do consumidor. Além disso, as taxas de inadimplência, que vinham recuando no ano passado, voltaram a subir recentemente. Ou seja, quem precisa de dinheiro para se refinanciar está com sua capacidade de endividamento tomada — ou com o nome sujo. Ontem, a Serasa Experian divulgou que o avanço da inadimplência do consumidor no Brasil manteve seu ritmo em maio, subindo 2,4% ante abril, a mesma taxa registrada na comparação entre abril e março. De acordo com avaliação dos economistas da Serasa, o aumento do custo das dívidas devido às elevações das taxas de juros, a permanência da inflação em nível elevado e o enfraquecimento da atividade econômica estão entre as causas que explicam a evolução da inadimplência nos últimos meses.

Para o presidente da Austin Rating, Erivelto Rodrigues, a redução no ritmo de fechamento de novos contratos de crédito tem a ver, também, com a alta dos juros. “Demanda existe, mas o custo está muito alto”. Mas ele concorda que com desaquecimento da economia, a procura de empresas por recursos diminui.

Ferreira disse que a redução na oferta promovida por algumas instituições em algumas linhas, principalmente na de veículos, foi um ajuste necessário devido a excessos cometidos em 2010 e 2011. “O governo quer que o excesso vire norma”, disse, referindo-se a uma polêmica levantada há cerca de dois meses pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega. Segundo o ministro, as vendas das montadoras de automóveis estavam caindo por falta de oferta de financiamento nos bancos.

Logo em seguida o presidente da Confederação Nacional das Instituições Financeiras (CNF) e do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco, declararam que não existia escassez de crédito. “Mesmo nos balanços publicados, o crédito ano a ano tem crescido acima de 10%”, disse Trabuco, lembrando que cada banco tem a sua política de crédito. “Financiamento de carro depende de políticas, como valor de entrada e prazo. Mas carros nos pátios não podem ser explicados unicamente pelo canal do crédito”.

Na semana passada, também o presidente da Federação Brasileira dos Bancos (Febraban), Murilo Portugal, saiu em defesa dos bancos. “Os financiamentos cresceram 7% no primeiro trimestre deste ano, só que a alta foi em carros usados — para carros novos houve retração de 2%”, lembrou. Para ele, o impacto maior veio da queda de 34% das exportações para os países vizinhos, e da volta do IPI, que havia sido reduzido, provocando a antecipação das compras. “Também pode haver alguma questão relacionada a preços, já que os carros usados mais baratos continuaram vendendo bem”.

Mas há sinais de que em linhas com custos mais baixos a procura continua firme. O Banco do Brasil (BB) informou ontem que atingiu recorde de contratação na linha BB Crédito 13º salário, com saldo total em carteira de R$ 1,5 bilhão, o maior já registrado. O crescimento de contratação foi de 24% no 1° trimestre de 2014, em comparação com o mesmo período de 2013. Apenas em fevereiro, o crescimento foi de 31%, comparado com o mesmo mês do ano anterior.

Para ter acesso à antecipação, é preciso ter proventos creditados em conta corrente no Banco do Brasil e possuir limite de crédito pré-aprovado. É possível antecipar até 80% do benefício até um limite de R$ 20 mil. “O BB orienta seus clientes a utilizar a antecipação do 13º salário como uma alternativa para quitar dívidas de custos maiores e para despesas mais urgentes”, afirma Edmar Casalatina, diretor de empréstimos e financiamentos do Banco do Brasil.

Atualmente, gerentes do BB possuem metas líquidas de concessão de crédito e, em alguns casos, enfrentam dificuldade para cumprir. “Tenho que fechar R$ 500 mil até o final deste mês (junho) e não está fácil”, revelou um gerente de atendimento da instituição, que pediu para não se identificar.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia