Ibovespa cai mais de 1% com aumento do conflito na Ucrânia

Ação da Vale desvaloriza 4% e pressiona o índice. Cautela prevalece nas bolsas de todo o mundo com o agravamento das tensões na Europa

Por parroyo

A cautela predomina nos mercados nesta quinta-feira com o agravamento das tensões geopolíticas na Ucrânia. Após a forte alta de ontem, o Ibovespa acompanha as bolsas externas e opera no vermelho. Por volta das 13h, o principal índice da Bovespa caía 1,09%, aos 60.283 pontos.

À frente dos ganhos, Marfrig ON subia 2,33%. Na outra ponta, MMX ON tinha queda de 4,65%. Entre as blue chips, Petrobras PN apresentava leve alta de 0,04%, Bradesco subia 0,03% e Itaú PN tinha queda de 0,93%. Vale PN, por sua vez, pressionava o Ibovespa ao recuar 4,11%. O movimento reflete a queda no preço do minério de ferro no mercado internacional.

Na agenda, o Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M), que baliza o preço dos aluguéis, apresentou deflação de 0,27% em agosto, em comparação com retração de 0,61% em julho. Em doze meses, o índice desacelerou de 5,32% para 4,89%.

Nos Estados Unidos, a segunda leitura do Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre veio acima do esperado pelo mercado. O PIB aumentou 4,2%, contra expectativa de alta em 3,9%. No entanto, a agenda de indicadores ficou em segundo plano diante do agravamento dos conflitos na Ucrânia.

“Segundo o governo ucraniano, militares russos invadiram o país”, destacou a Guide Investimentos, em nota. Intensos combates na região leste do país resultaram na morte de mais de 220 separatistas pró-Rússia. Diante do cenário, a cautela pressiona as bolsas. Por volta das 13h, o Dow Jones tinha leve alta de 0,06%, o S&P perdia 0,02% e o Nasdaq tinha queda de 0,04%.

No mercado de câmbio, o dólar subia 0,30%, cotado a R$ 2,252 na venda.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia