Ibovespa recua 2,4% pressionado por Petrobras

Cautela antes do término da reunião do Conselho de Administração da estatal derruba ação, que desvaloriza 5%. Dólar cai, cotado a R$ 3,19

Por parroyo

O principal índice da Bovespa fechou em forte queda nesta quinta-feira, com Petrobras entre as principais pressões de baixa, corrigindo alta expressiva da véspera, em meio à cautela antes do término da reunião do Conselho de Administração da estatal no Rio de Janeiro.

Nem a alta do petróleo nos mercados internacionais, em meio ao aumento das tensões geopolíticas no Oriente Médio, freou a queda de quase 5%  nos papéis da estatal. O Ibovespa fechou em queda de 2,47%, aos 50.579 pontos. O volume financeiro do pregão somou R$ 6,5 bilhões.

Na véspera, as preferenciais da Petrobras fecharam em alta de cerca de 5%, em meio a expectativas relacionadas à divulgação do balanço da companhia, após reportagem na mídia afirmar que o método de avaliação das baixas contábeis havia sido aprovado por órgãos reguladores. A estatal negou a informação nesta quinta-feira.

Dólar

No mercado de câmbio, o dólar encerrou em queda nesta segunda-feira, ao fim de mais uma sessão de volatilidade, em um mercado sensível a fluxos pontuais após o Banco Central anunciar que não renovará seu programa de intervenções diárias.

A moeda norte-americana caiu 0,39%, cotada  a R$ 3,190 na venda. Diversos agentes financeiros consultados pela Reuters citaram operações cambiais relevantes para explicar o sobe e desce da divisa ao longo da manhã. Era unânime a opinião de que o impacto dessas transações foi exacerbado pela elevada volatilidade que vem permeando o mercado nas últimas sessões, reforçada pela decisão do BC.

"É possível que a volatilidade diminua em alguns dias, mas por enquanto, o mercado está muito sensível. Qualquer operação faz preço", disse o superintendente de câmbio da corretora Intercam, Jaime Ferreira.

Investidores também monitoraram a firme alta dos rendimentos dos títulos do Tesouro dos Estados Unidos nesta sessão, que levou o dólar a subir contra boa parte das moedas emergentes. O movimento dos Treasuries veio após leilão de notas de sete anos do governo dos EUA apresentar demanda fraca.

"O mercado está muito volátil e os investidores não têm segurança para trabalhar no longo prazo. Então você acaba tendo isso, um mercado imprevisível", disse o gerente de câmbio da corretora Treviso, Reginaldo Galhardo.


Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia