Trump gera indignação de parlamentares após encontro com Putin

Presidente da Câmara dos Representantes do Congresso afirmou que Trump deveria considerar que a Rússia não é aliado; titular do partido Democrata no Senado apontou que presidente exibiu um comportamento "perigoso e fraco"

Por AFP

Putin oferece uma bola da Copa do Mundo 2018 para Donald Trump
Putin oferece uma bola da Copa do Mundo 2018 para Donald Trump -

Washington - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, se tornou nesta segunda-feira o centro de uma avalanche de críticas de aliados e opositores em seu país, após a entrevista coletiva sobre seu encontro com o chefe de Estado russo Vladimir Putin.

"Perigoso e fraco", "vergonhoso", "à beira da traição" foram alguns dos comentários sobre o desempenho de Trump na entrevista coletiva realizada nesta segunda-feira em Helsinque, na Finlândia.

O presidente da Câmara dos Representantes do Congresso, o republicano Paul Ryan, afirmou em nota que Trump "deveria considerar que a Rússia não é nosso aliado".

"Não há uma equivalência moral entre Estados Unidos e Rússia, que continua sendo hostil a nossos valores básicos e ideais", acrescentou.

Por sua vez, o titular do partido Democrata no Senado, Chuck Schumer, apontou que, na coletiva com Putin, Trump exibiu um comportamento "perigoso e fraco" ante um adversário como a Rússia.

"Em toda a história de nosso país, os americanos nunca viram seu presidente apoiar um adversário dos Estados Unidos como Donald Trump apoiou o presidente Putin", expressou Schumer no Twitter.

Os legisladores não esconderam sua irritação pelo gesto de Trump de aceitar a palavra de Putin negando qualquer ingerência da Rússia nas eleições presidenciais de 2016, como afirmam os serviços americanos de inteligência.

'Vergonhoso' 

Para o senador republicano John McCain, "a entrevista coletiva desta segunda-feira em Helsinque é um dos desempenhos mais vergonhosos de um presidente americano que podemos lembrar".

"Nenhum presidente anteriormente se humilhou de forma mais abjeta diante de um tirano" que Trump, afirmou McCain.

Para Jeff Flake, outro senador republicano, o desempenho de Trump foi "vergonhoso".

"Nunca pensei que viveria para ver um presidente americano subir no palco com um presidente russo e culpar os Estados Unidos por uma agressão da Rússia. É vergonhoso", afirmou no Twitter.

Na cúpula, Trump culpou a "estupidez" de seus antecessores por deixar as relações bilaterais atingirem os baixos níveis atuais.

O legislador democrata Jimmy Gomez foi além e afirmou que o presidente chegou ao limite da "traição".

"Aliar-se com Putin contra os serviços americanos de inteligência é asqueroso; mas não defender os Estados Unidos está à beira da traição. Todos os americanos deveriam estar preocupados", apontou.

Em meio à chuva de críticas, o diretor de Inteligência americano, Dan Coats, defendeu em nota oficial a conclusão dos órgãos de segurança sobre a ingerência russa nas eleições.

"Fomos claros em nossas avaliações da intromissão russa nas eleições de 2016 e seus esforços contínuos e onipresentes para minar nossa democracia", disse Coats.

Do avião em que viajava de volta aos Estados Unidos Trump assegurou no Twitter que tem uma "grande confiança" nos órgãos de inteligência, embora tenha ignorado suas conclusões.

"Tenho grande confiança em minha equipe de inteligência", tuitou, acrescentando que "para construir um futuro brilhante, não podemos nos concentrar exclusivamente no passado".

Galeria de Fotos

Putin oferece uma bola da Copa do Mundo 2018 para Donald Trump AFP photo/ Yuri Kadobnov
US President Donald Trump and Russia's President Vladimir Putin arrive to attend a joint press conference after a meeting at the Presidential Palace in Helsinki, on July 16, 2018. The US and Russian leaders opened an historic summit in Helsinki, with Donald Trump promising an "extraordinary relationship" and Vladimir Putin saying it was high time to thrash out disputes around the world. / AFP photo/ Yuri Kadobnov AFP

Últimas de Mundo & Ciência