Justiça determina que Burger King permita que trabalhadores atuem de barba

Inspeção trabalhista também derrubou decisão de que homens e mulheres usassem uniformes diferentes, alegando discriminação

Por ISTOÉ ECONOMIA

Rede busca pessoas que gostem de desafios e que queiram crescer
Rede busca pessoas que gostem de desafios e que queiram crescer -

Barcelona - Funcionários do Burger King em Barcelona conquistaram na justiça o direito de trabalhar de barba, bigode ou cavanhaque depois de a rede de fast food proibir pelos faciais entre os colaboradores. Segundo as autoridades trabalhistas da região da Catalunha, a imposição do Burger King fere os direitos constitucionais.

O comitê de inspeção trabalhista de Barcelona ainda derrubou a determinação de que trabalhadores do sexo masculino e feminino usem uniformes diferentes alegando que a medida era discriminatória. Agora, homens poderão usar adereços como tiaras e laços no ambiente de trabalho.

O sindicato dos trabalhadores recorreu à justiça depois de tentar negociar diretamente com o Burger King a flexibilização das regras. De acordo com os representantes dos funcionários, as normas infringiam os direitos das pessoas sobre as suas próprias imagens. As novas medidas passam a valer para os mais de 1,2 mil funcionários de 46 unidades do Burger King na província de Barcelona.

“Como resultado da inspeção, foi estabelecido que certas práticas empresariais estabelecidas nas regras internas infringem os direitos constitucionais dos trabalhadores, nomeadamente o direito à sua própria imagem e o direito à igualdade, tratamento e contra a discriminação sexual, conforme estabelecido, respectivamente, nos artigos 18.1 e 14 da Constituição espanhola”, afirmaram os inspetores na decisão.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários