Putin lamenta falta de propostas da UE para evitar corte de gás à Ucrânia

Em carta aberta a líderes do bloco europeu, o presidente russo afirmou que país continua aberto a negociações sobre o fornecimento

Por marta.valim

O presidente russo, Vladimir Putin, lamentou nesta quinta-feira a falta de propostas concretas da União Europeia (UE) para evitar o corte do fornecimento de gás russo à Ucrânia no mês que vem.

Em uma carta aberta a líderes da UE, Putin declarou que a Rússia continuava aberta a conversar sobre a dívida da Ucrânia com Moscou devido ao fornecimento de gás russo.

O gigante russo Gazprom advertiu na terça-feira que exigia da companhia pública ucraniana 1,66 bilhão de dólares como pagamento antecipado para suas entregas de gás do mês de junho. Do contrário, poderia interromper o fornecimento de gás à Ucrânia no início do mês que vem.

"A Gazprom não recebeu nenhum pagamento pelas entregas de gás à Ucrânia (...) embora a Ucrânia já tenha recebido a primeira parcela do empréstimo do FMI" (Fundo Monetário Internacional), ou seja, US$ 3,2 bilhões, declarou Putin.

"Infelizmente, não recebemos nenhuma proposta concreta de nossos sócios para estabilizar a situação e para que a Ucrânia possa cumprir com suas obrigações contratuais e garantir um trânsito confiável", escreveu Putin nesta carta aos líderes europeus.

A UE importa um quarto de seu gás da Rússia. Cerca da metade deste gás transita pela Ucrânia.

"Esperamos que a Comissão Europeia participe mais ativamente no diálogo para alcançar soluções específicas e equitativas que ajudem a estabilizar a economia da Ucrânia", acrescentou o presidente russo.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia