Alta Comissária da ONU acusa Estado Islâmico de "limpeza étnica e religiosa"

Navi Pillay pediu o julgamento dos responsáveis por possíveis crimes contra a humanidade

Por marta.valim

A Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos, Navi Pillay, acusou os jihadistas do Estado Islâmico (EI) de promover uma "limpeza étnica e religiosa" no Iraque e pediu o julgamento dos responsáveis por possíveis crimes contra a humanidade.

"O Estado Islâmico (EI) e os grupos armados associados cometem a cada dia graves e horríveis violações dos direitos humanos. Atacam sistematicamente homens, mulheres e crianças em função de sua origem étnica, religiosa ou sectária, e realizam uma limpeza étnica e religiosa sem piedade nas regiões que controlam", afirma Pillay em um comunicado.

"Tais atos poderiam constituir crimes contra a humanidade", completa a nota, que condena as "violações sistemáticas e generalizadas dos direitos humanos".

"Apelo à comunidade internacional que assegure que os autores destes crimes odiosos não fiquem impunes", insiste Pillay.

O Iraque é cenário desde 9 de junho de uma ofensiva de jihadistas sunitas do EI, que ocupam várias regiões do norte do país.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia