Morre médico liberiano com Ebola tratado com soro experimental ZMapp

O tratamento, que não havia sido testado em humanos, também foi administrado em dois americanos que na semana passada foram declarados curados

Por marta.valim

Um médico liberiano tratado com um soro experimental americano em seu país depois de ter contraído Ebola morreu, anunciou nesta segunda-feira à AFP o ministro de Informação da Libéria, Lewis Brown.

"Mostrava sinais de melhora, mas finalmente faleceu. O governo lamenta esta perda e apresenta suas condolências à família", explicou Brown, que declarou que o médico, Abraham Borbor, morreu na madrugada desta segunda-feira.

Outros dois funcionários tratados com este soro, o ZMapp, "seguem em tratamento e há sinais de esperança", indicou o ministro.

Os Estados Unidos entregaram à Libéria no dia 13 de agosto doses de ZMapp para estes três profissionais de saúde. O tratamento, que não havia sido testado em humanos, também foi administrado em dois americanos que na semana passada foram declarados curados, e em um padre espanhol que morreu no dia 12 de agosto. Os três haviam sido infectados na Libéria.

O laboratório que fabrica o ZMapp informou que as escassas doses disponíveis do medicamento haviam se esgotado.

Por sua vez, o Japão declarou nesta segunda-feira estar disposto a fornecer um tratamento experimental de uma empresa japonesa que o país homologou em março como um antiviral contra a gripe, com o objetivo de lutar contra o Ebola "se a Organização Mundial da Saúde (OMS) pedir".

Diante da amplitude da epidemia, a OMS considerou ético no dia 12 de agosto oferecer medicamentos cuja eficácia ou efeitos colaterais ainda não foram comprovados como tratamento potencial ou a título preventivo.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia