ONG pressiona autoridades europeias para proteger imigrantes

Foto de menina morta no Mediterrâneo volta a comover e a indignar o mundo

Por marlos.mendes

Rio - Quase nove meses após a foto do menino Aylan, morto em uma praia na Turquia, chocar o mundo, outra pequena vítima do êxodo desordenado e fatal pelo Mediterrâneo comoveu o planeta nesta segunda-feira. Uma foto de uma bebê morta nos braços de um socorrista alemão foi distribuída por uma organização humanitária com o objetivo de pressionar autoridades europeias a garantir passagem segura a imigrantes.

O corpo da menina, que não parece ter mais de 1 ano, foi retirado do mar sexta-feira depois do naufrágio de um barco de madeira. Quarenta e cinco corpos chegaram ao porto de Reggio Calabria, no sul da Itália, no domingo, a bordo de uma embarcação da Marinha italiana, que recolheu 135 sobreviventes.

O corpo da menina%2C que parece ter cerca de um ano%2C foi retirado do mar na sexta-feira%2C após naufrágio de um barco de madeira no MediterrâneoReuters

A ONG alemã Sea-Watch, que opera um barco de resgate no mar entre a Líbia e a Itália, distribuiu a imagem. O socorrista, que se identificou como Martin, disse ter visto o bebê na água. “Peguei o bebê pelo antebraço e puxei seu corpinho para os meus braços na mesma hora para protegê-lo... os braços, com aqueles dedinhos, balançaram no ar, o sol bateu nos seus olhos, brilhantes, acolhedores, mas sem vida”, disse.

Mais de 8 mil pessoas morreram no Mediterrâneo desde o início de 2014. “Na sequência desses acontecimentos desastrosos, torna-se óbvio para as organizações envolvidas que os clamores dos políticos europeus para se evitar novas mortes no mar não são mais do que falatório”, afirmou a Sea-Watch.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia