PT SGPS vai bloquear direito a voto da Oi no negócio com a Altice

O motivo seria que a operadora brasileira, que é a terceira maior acionista da empresa portuguesa, teria conflito de interesses

Por diana.dantas

Lisboa - O presidente da mesa da assembleia geral da Portugal Telecom SGPS anunciou que irá bloquear o direito a voto da Oi na crucial assembleia geral desta quinta-feira, que irá deliberar a venda dos ativos portugueses da companhia à Altice, dado que a operadora brasileira teria conflito de interesses.

Leia mais: Ações da Oi disparam mais de 15% à espera de assembleia da PT SGPS

"A Telemar, de acordo com o que foi feito na última assembleia (de 12 de janeiro), tem conflito de interesses, não poderá votar", disse António Menezes Cordeiro, no início da reunião.

A operadora brasileira é a terceira maior acionista da PT SGPS, com 10 por cento de participação no capital da companhia.

A maior parte do capital da PT SGPS está disperso entre investidores institucionais. A empresa tem como maior acionista o Novo Banco, com fatia 12,6%, embora a companhia tenha garantido por estatuto uma blindagem do direito a voto a um máximo de 10 por cento, que é a posição detida tanto pela Oi como pelo grupo de mídia Ongoing.

Com a fusão entre a Portugal Telecom e a Oi em curso, a brasileira, já em posse dos ativos de telecomunicações da PT Portugal, avançou com um acordo de venda da líder portuguesa do setor por € 7,4 bilhões à gigante das telecomunicações francesa Altice.

A operação precisa do aval dos acionistas da PT SGPS para avançar.

A assembleia geral de hoje, rodeada de incertezas, tem como ponto único a deliberação sobre a venda dos ativos à Altice. A proposta precisa de aprovação de 2/3 dos votos dos acionistas presentes, um apoio que, segundo analistas, não está garantido.

Para cumprir os acordos originais da combinação dos negócios entre Oi e Portugal Telecom, a alienação tem de ter o aval dos acionistas da PT SGPS, mas o Sindicato de Trabalhadores, o presidente da mesa da assembleia e o ex-presidente-executivo da Portugal Telecom acusam a companhia brasileira de ter violado o acordo e querem anular a fusão.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia