UE aprova compra de operações portuguesas da Oi por Altice

Operação avaliada em US$ 7,9 bilhões será feita com a condição de que a Altice venda seus negócios portugueses atuais

Por bruno.dutra

Bruxelas - Reguladores da União Europeia aprovaram a compra dos ativos portugueses da Oi pelo grupo de telecomunicações Altice por 7,4 bilhões de euros (7,9 bilhões de dólares) com a condição de que a Altice venda seus negócios portugueses atuais.

A Comissão Europeia, que decide sobre questões antitruste na UE, disse nesta segunda-feira que estava preocupada com a possibilidade de que a entidade combinada pudesse enfrentar concorrência insuficiente em telecomunicações fixas, o que poderia resultar em preços mais altos.

A Altice opera duas subsidiárias em Portugal, a Cabovisão, que oferece TV paga, Internet e telefonia fixa a clientes residenciais, e a ONI, que oferece serviços a empresas. A Altice propôs vender as duas.

"A Comissão concluiu que a transação, modificada pelos compromissos, não levanta preocupações para a competição", disse.

A Comissão disse ter rejeitado uma solicitação de remeter o exame do negócio à autoridade de competição de Portugal.

O fundador da Altice, o empreendedor de telecomunicações franco-israelense Patrick Drahi, expandiu seu portfólio de companhias de serviços a cabo e telecomunicações móveis na França, Israel e na República Dominicana nos últimos anos, culminando em acordos de cerca de 30 bilhões de dólares no ano passado.

Para a Oi, a venda marca a dissolução efetiva de uma fusão mal sucedida com a Portugal Telecom, que tinha o objetivo de criar uma grande operadora transatlântica no mundo lusófono com mais de 100 milhões de clientes.

O negócio foi por água abaixo no ano passado, quando o lado português da fusão perdeu centenas de milhões de euros no escândalo bancário do grupo Espírito Santo.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia