Por paulo.gomes

Rio - Policiais da Divisão de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSGI) já identificaram dois suspeitos que participaram do resgate do traficante Jhony Luiz da Silva, o Bebezão, que estava internado no Hospital Estadual Azevedo Lima, em Niterói, e da morte de um policial militar na madrugada de segunda-feira. Segundo a assessoria da Polícia Civil, uma testemunha reconheceu os acusados de terem participado da ação.

O traficante Jhony Luiz da Silva, o Bebezão, foi resgatado do Hospital Estadual Azevedo Lima por bandidos na madrugada de segunda-feiraCarlos Moraes / Agência O Dia

A DH está aguardando os resultados dos laudos da perícia e imagens das câmeras de segurança para que sejam analisadas. O subtenente da PM, Celso Milício de Oliveira, foi sepultado na manhã desta terça-feira, no Cemitério de Irajá, na Zona Norte. O policial foi morto momentos antes do resgate de Bebezão, quando os bandidos roubaram seu carro em São Gonçalo, na Região Metropolitana.

Após o assassinato do PM, um grupo formado por pelo menos dez homens invadiu o Azevedo Lima e resgatou Bebezão, que estava sob custódia. Apontado como um dos principais ladrões de cargas e caixas eletrônicos da Pavuna, no Rio, e Belford Roxo, na Baixada Fluminense, ele fora transferido em outubro, por questões de segurança, do Hospital Estadual Carlos Chagas, em Marechal Hermes, no Rio, a pedido do comando do 41ºBPM (Irajá).

Apenas um policial militar fazia a escolta no momento do resgate. Ele foi agredido e teve duas armas roubadas. Os bandidos chegaram em três carros, por volta das 4h, entraram pela porta da frente e ficaram cerca de 25 minutos na unidade. Segundo testemunhas, eles não sabiam em qual andar Bebezão estava e entraram em diversos quartos e enfermarias. Pertences de funcionários e acompanhantes de pacientes também foram roubados.

Você pode gostar