Conheça algumas histórias de pets deficientes e muito amados

Especialista explica que deficiências podem ser genéticas, por acidentes ou maus tratos

Por marina.rocha

Odin%2C surdo%2C vive com Crislaine MedeirosDivulgação

Niterói - A aparência desfigurada de Dentinho, abandonado no bairro de Caxangá, em Recife, Pernambuco, assustava muita gente, mas não a protetora Lúcia Verônica, a jornalista Goretti Queiroz, e muito menos a professora Verônica Wogeley. Era 2013. Ele estava tão maltratado que sequer foi possível identificar a raça quando chegou ao veterinário. Era cego, sem pelos e unhas. Graças a essas mulheres, a história de Dentinho foi parar nas redes sociais e comoveu pessoas no mundo inteiro, que o ajudaram no tratamento. Foi, então, que descobriram que ele era um poodle.

O cão foi adotado por Verônica Wogeley e a família dela que o amaram sem se importar com sua aparência e suas restrições. Viveu com eles até outubro do ano passado, quando se foi vítima de uma infecção na boca. Essa comovente história de amor completa, nesta segunda, dois anos.

A luta de Dentinho pela vida o transformou num símbolo contra a crueldade com os animais, mas, principalmente, contra o preconceito com os que são deficientes. O guerreiro foi a inspiração para Goretti criar a Fundação Dentinho, que ajuda animais com problemas. Apesar do sofrimento, digo, sem medo, que ele foi sortudo. É raro animal como Dentinho ser cuidado. 

Mas, na busca por pessoas que optaram por amar esses seres, achei as que já fazem a diferença. É o caso da bióloga Liliane Telles que tem o cão cego Ray e a gata Chamuska, com sequelas de queimadura. Odin, surdo, vive com a contadora Crislaine Medeiros. Já o tosador Marco Ferreira fez as cadeiras de rodas de seus cinco cães paralíticos. O gato Francisco, que também não anda, é do casal de veterinários Marcelo Pereira da Costa e Fernanda Campista.

Membro do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Rio, Carolina Eccard, explica que as deficiências podem ser genéticos, causadas por acidentes e maus tratos. Os idosos também desenvolvem problemas. Ela avisa que é preciso que o dono do peludo mantenha a comida e água e móveis no mesmo lugar para facilitar a locomoção dos cegos, além de bloquear lugares de onde eles e os paralíticos possam cair. Quanto às cadeirinhas, podem ser feitas em casa, mas com orientação veterinária.E Carolina dá um ensinamento: os animais se adaptam às suas restrições, só precisamos entende-los e nos adaptar também. É isso!

Marco Ferreira fez as cadeiras de rodas de seus cães paralíticosDivulgação

Tire sua dúvida

Vou viajar. É melhor deixar meu gato em casa aos cuidados de alguém ou em uma hospedagem?

Beatriz Lourival, Icaraí

Tanto faz. Se for em casa que tenha alguém direto com ele. Em hospedagem,que seja um lugar limpo, sem perigo de contrair doenças e, principalmente que seja tratado com amor e não fique preso. Pesquise sobre o local antes de deixa-lo.

Flávia C. R. do Nascimento, veterinária

Scooby é cego e precisa de um larDivulgação

Me leva?!

Oi. Sou Scooby, um cão especial porque sou cego. Não posso te ver mas posso te amar e ser amado. É só falar com as tias do quatropatinhas.com.br

Conferência animal

Um dos maiores eventos da Medicina Veterinária, a Latin American Veterinary Conference – LAVC, terá sua 10ª edição entre os dias 21 a 24 de abril, em Lima, no Peru. Entre os palestrantes, está Melinda D. Merck, do Texas, Estados Unidos, uma das pioneiras em Medicina Veterinária Forense e consultora em casos que envolvem abusos em animais. A programação completa e inscrições estão em tlavc-peru.org. 

Boa ação

Promovida desde 2013, a Marcha da Defesa Animal, que acontece simultaneamente em várias cidades do Brasil, acontecerá no próximo dia 26, a partir das 14h. O objetivo é sensibilizar as autoridades a lutarem também pela causa animal, principalmente no que diz respeito a punições mais severas para quem comete maus tratos. Interessados em participar do evento devem entrar em contato com a Marcha da Defesa Animal pelo Facebook ou mandar e-mail favillalobo@hotmail.

Passeio com estilo

Quer passear com seu cão e ainda ficar no maior estilo? Então, vá com a Bolsa de Transporte para Cães da Royal Pets. É confortável, fácil de abrir e fechar, devido ao sistema com velcro de alta aderência, tem alças de espuma para maior conforto dos ombros, além do guia modelo ‘enforcador’ já embutido, evitando o uso de coleiras. À venda na elo7.com.br por R$ 99,90.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia