Senado aprova texto que torna corrupção crime hediondo

Os senadores agora discutem a proposta que destina os royalties do petróleo para a educação

Por julia.amin

Brasília - O projeto de Pedro Taques (PDT-MT), que transforma a corrupção em crime hediondo, repousava no Senado desde 2011. Mas só depois dos protestos e do pronunciamento da presidenta Dilma Rousseff em rádio e TV (na segunda-feira), a Casa decidiu aprová-lo. A corrupção equivalerá, portanto, a extorsão mediante sequestro, a homicídio cometido por grupos de extermínio e a estupro de crianças.

Grupo de manifestantes faz passeata na Avenida Rio Branco, Centro do Rio. Fim da impunidade é uma das demandas da populçãoFernando Souza / Agência O Dia

Em seu discurso, Dilma foi clara ao exigir “uma nova legislação que classifique a corrupção dolosa como equivalente a crime hediondo, com penas muito mais severas.”

O projeto aprovado seguirá para a Câmara e, se passar sem emendas, irá à sanção da presidenta. O texto sugere alteração no Código Penal que aumenta a punição do crime de concussão (usar o cargo para exigir vantagem indevida) para quatro a oito anos de reclusão e multa.

Nos casos de corrupção passiva (solicitar ou receber vantagem indevida em razão da função) e corrupção ativa (oferecer ou prometer vantagem indevida a funcionário público), a pena passa de dois a 12 anos de reclusão para quatro a 12 anos, além de multa.

“No crime de corrupção, você não pode identificar quem são as vítimas. A ideia é protegê-las por meios jurídicos. Mas, para isso, precisamos que os processos caminhem mais rapidamente, até para a absolvição de quem não tem nada a ver com isso. O político também será afetado por essa mudança na lei, porque, apesar de não ser a quantidade da pena que impeça o cometimento de crime, esse também é um dos caminhos”, argumentou ontem o autor do projeto.

Na Câmara, a Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania aprovou a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que acaba com o voto secreto nas votações para perda de mandato. O texto precisa passar ainda por uma comissão especial no Senado e ser votado em dois turnos nas duas Casas.

Deputado vai para a cadeia

No mesmo dia em que o Senado deu um passo para punir corruptos mais severamente, o Supremo Tribunal Federal decretou a prisão do deputado Natan Donadon (PMDB-RO). O parlamentar foi condenado em 2010 a 13 anos, quatro meses e dez dias por formação de quadrilha e peculato (crime praticado por funcionário público contra a administração que também poderá virar crime hediondo). A Câmara instaurou processo para cassar o mandato de Donadon.

ESPECIALISTAS ACHAM QUE É SÓ O COMEÇO

A decisão do Senado de transformar a corrupção em crime hediondo foi recebida com reservas no mundo jurídico. Para os críticos, a futura lei pode não ter a eficâcia esperada pela população. “É apenas jogar para a galera”, reprova o criminalista Luiz Flávio Gomes. Ele sustenta que a vitória contra o aumento das passagens, sim, é concreta. “Os R$ 0,20 são reais. Esse aumento de pena não vai mudar a realidade. A maior punição para o corrupto seria o empobrecimento com a devolução do dinheiro jogado na Saúde e Educação”, analisa Gomes, observando que, desde 1940, o Código Penal foi alterado 136 vezes.

Pela proposta, os crimes de corrupção passam a ser inafiançáveis e, se condenado, o autor só terá direito a progressão de regime após cumprir 40% da pena, o equivalente a 2/5. “Nunca se comprovou que o aumento de pena reduz prática de crime. Esse lei só foi aprovada no Senado por causa do momento político. As pessoas estão indo às ruas clamar pelo combate à corrupção. Mas, na prática, nada será alterado”, avalia advogada Fernanda Tórtima.

Para o jurista Antônio Gonçalves, o Senado criou uma “lei midiática”, com base no clamor popular. “Na prática, não vai funcionar. É o que chamamos de Direito Penal Midiático”, opina Gonçalves. Especialistas ressaltam que é preciso investigação séria.

“Um processo criminal é muito lento. Então, mudar só a legislação é ilusório. A pena mínima de quatro anos pode ser substituída por medidas restritivas de direito”, arrematou Gomes. (Adriana Cruz)

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia