Imagem mostra corpos de pais e de filho suspeito de assassinato em SP

Imagens mostram como todos foram encontrados no local

Por helio.almeida

São Paulo - Os corpos dos pais e do filho suspeito de ser o assassino dos dois já circulam pela Internet. Imagens tiradas na casa onde a família foi encontrada morta, na Brasilândia, Zona Norte de São Paulo, mostram como todos foram encontrados no local.

Luis Eduardo Pesseghini foi morto deitado e Andreia Pesseghini estava ajoelhada na hora do crime. Os dois eram PMs e pais de Marcelo Eduardo Pesseghini, de 13 anos, que teria matado os dois, a avó, uma tia-avó e depois se matou. O menino estava deitado ao lado do pai.

Imagem mostra corpos na camaReprodução Internet

O crime teria acontecido entre o fim da noite de domingo e a madrugada de segunda-feira — quando os corpos foram encontrados. O garoto foi à aula com o carro da mãe, e quando retornou para casa, de carona com um amigo, teria se matado.

Sabia dirigir e atirar

Um policial militar confirmou que Marcelo “sabia dirigir e atirar”. De acordo com o delegado Itagiba Vieira Franco, do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), a testemunha era amiga da família e mora na mesma rua que as vítimas.

“O garoto sabia dirigir porque o pai e a mãe ensinaram e a atirar porque o pai ensinou”, contou Franco sobre o depoimento do homem que chamou apenas de “PM Neto”. O delegado disse também que o policial militar foi o primeiro a chegar na cena do crime, na última segunda-feira, dia 5.

Além disso, Franco disse que uma vizinha ouvida durante as investigações afirmou que menino tirava o carro da família da garagem “todos os dias”. O delegado aproveitou ainda para criticar os especialistas que contestam a atual linha de investigação, que tem o adolescente como único suspeito.

“Eu estou absolutamente sereno, essa contestação é normal porque se tornou um caso mundial. Ela (a investigação) ganhou um vulto que não se esperava, não estou me importando com opiniões. Se amanhã alguém fornecer nova pista, eu vou investigar. A família (por exemplo) forneça uma pista. Não estamos escondendo nada. A família não poder ter em mim um inimigo. Na televisão já tem um monte de especialista dando opinião. Eu estou me lixando para o que eles estão dizendo. Eu ouço o coração. Se eu estiver errado, eu venho a público e digo: ‘eu errei’. Tenho hombridade e honestidade para fazer isso”, disse.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia