Ministro condena protesto contra médicos estrangeiros

Houve gritos de 'voltem para a senzala'

Por bferreira

Fortaleza e Brasília - O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, classificou de “truculência” e “xenofobia” as ofensas que médicos brasileiros gritaram para os 96 colegas cubanos que saíam da primeira aula do curso preparatório para participar do programa ‘Mais Médicos’, do governo federal. Na segunda-feira à noite, em Fortaleza, manifestantes vestidos de branco chamaram os estrangeiros de “escravos” e repetiram palavras de ordem como “voltem para a senzala”.

Manifestantes do Sindicato dos Médicos do Ceará fizeram ‘corredor polonês’ e ofenderam colegas cubanosFolhaPress

“Em primeiro lugar, tem muita truculência, muita incitação ao preconceito e à xenofobia. Lamento veementemente a postura de alguns profissionais — porque eu acho que é um grupo isolado — de ter atitudes truculentas, incitar o preconceito, a xenofobia. Participaram de um verdadeiro ‘corredor polonês’ da xenofobia, atacando médicos que vieram de outros países para atender a nossa população”, disse o ministro ontem no Senado.

Padilha foi conversar com o vice-líder do PR na Casa, senador Antônio Carlos Rodrigues (SP) sobre o programa que pretende conceder bolsas de R$ 10 mil a médicos brasileiros e estrangeiros que concordem em atuar em áreas carentes no interior do país e na periferia das grandes cidades. A Medida Provisória que cria o ‘Mais Médicos’ precisa ser aprovada pelo Congresso até novembro.

O ‘corredor polonês’ a que o ministro se referiu aconteceu na Escola de Saúde Pública do Ceará. Os médicos cubanos também foram chamados de “incompetentes”.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia