Aluna é agredida e algemada por policial durante protesto em Goiás

Estudantes são contra o projeto que prevê período integral, pois muitos trabalham e não podem ficar o dia inteiro na escola

Por helio.almeida

Goiás - Um protesto em uma escola de Goiás terminou em confusão e violência nesta quinta-feira. Cerca de 400 estudantes do Colégio Estadual Santa Luzia, em Aparecida de Goiânia protestavam pacificamente contra possível mudança no horário das aulas. A Polícia foi chamada para tirar os estudantes da frente da escola, e foi quando a discussão começou. Uma aluna acusa um PM de dar tapas no rosto dela e arrastá-la pelas pernas.

Polícia foi chamada para retirar os alunos da frente da escolaReprodução Internet

Segundo os estudantes, os militares chegaram no local agindo com violência. Desceram da viatura com cassete em mãos, empurrando e batendo em alunos. Um vídeo feito no celular de um manifestante, mostra o momento que um policial retira uma jovem, de 17 anos, do meio do grupo e arrastada pelas pernas até o carro da PM após xingar um militar. A adolescente foi encaminha à delegacia e, em seguida, liberada.

A Polícia Militar informou que, após analise das imagens, foi instaurada uma sindicância para apurar se houve desvio de conduta. Os dois policiais militares envolvidos foram afastados do serviço. O Comando da PM de Aparecida de Goiânia também vai ao colégio para informar das providências que estão sendo tomadas.

A manifestação era contra o projeto do estado que prevê mudanças no horário de algumas escolas. Com a alteração, eles teriam que estudar em período integral. No entanto, segundo os alunos, isso é impossível, já que muitos trabalham. A assessoria da Secretaria Estadual de Educação não se pronunciou sobre o caso.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia