Após fumaça tóxica diminuir, perícia investiga causas da explosão em SC

Defesa Civil informou que famílias ainda não podem voltar

Por helio.almeida

Santa Catarina - A fumaça tóxica que se espalhou pela cidade de São Francisco do Sul, em Santa Catarina, começa a diminuir. Baixada a pueira, que fez 20% da população sair de casa, a perícia vai começar a investigar as causas da explosão em um galpão que armazenava uma carga de nitrato de amônio. A prefeitura informou nesta sexta-feoira que vai estudar o impacto do acidente e a localização dos imóveis próximos do armazém.

Agente da Defesa Civil próximo da fábrica de fertilizantesDivulgação

"Tivemos a notícia de que a reação química estava debelada por completo, mas ainda vamos manter o limite de 400 metros do foco da explosão, para assim ter o retorno gradativo da população", disse o prefeito Luiz Roberto. "O importante é que a segurança foi reestabelecida. A prerícia acontece após o fim do trabalho dos bombeiros. Queremos saber o que levou a combustão, e se teve prejuizo ao meio ambiente".

Luiz Roberto disse que a explosão deve ser apurada porque foi um acontecimento inédito. "Estamos revendo as casas ao redor e vamos afastar as areas próximas. Se for necessario, poderá ter realocações", informou. "O vento mudou de direção e tivemos que evacuar hospitais proximos", completou.

Isolamento de um quilômetro

Durante a operação, foi usado aproximadamente 1,5 milhão de litros de água. As equipes trabalham para fazer a limpeza do local. Representantes de órgãos ambientais, como o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais (Ibama), farão a avaliação das condições atmosféricas para definir quando a região será liberada para que moradores retornem às suas casas.

Por enquanto, está mantida a área de isolamento em um raio de um quilômetro. De acordo com a prefeitura, 800 pessoas estão desalojadas e recebendo assistência em um abrigo disponibilizado pela Secretaria de Assistência Social.

Situação de emergência

O acidente ocorreu por volta das 22h da última terça-feira, no galpão de uma fábrica de fertilizantes, no Bairro Paulas. A prefeitura decretou situação de emergência para acelerar as ações de assistência à população.

Mais de 150 pessoas buscaram atendimento em unidades de saúde após terem inalado a fumaça, entre elas dois bombeiros militares que trabalhavam para controlar o foco da reação química. Um deles, David Marcelino, de 59 anos, teve intoxicação aguda e precisou ser transferido para o hospital regional de Joinville.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia