Ativistas suspeitos de serem black blocs viram réus em São Paulo

Justiça acatou a denúncia do Ministério Público contra Fábio Hideki Harano e Rafael Marques Lusvargh

Por leonardo.rocha

São Paulo - A Justiça de São Paulo aceitou a denúncia do Ministério Público contra Fábio Hideki Harano e Rafael Marques Lusvargh, presos em flagrante no dia 23 de junho, em São Paulo, durante protestos contra a realização da Copa do Mundo 2014.

Harano, funcionário da Universidade de São Paulo (USP), foi denunciado pela prática dos crimes de incitação ao crime, associação criminosa armada, desobediência e posse de artefato explosivo.

O professor Lusvargh foi denunciado pela prática dos crimes de incitação ao crime, associação criminosa armada, resistência e posse de artefato explosivo.

A denúncia, oferecida à 10ª Vara Criminal de São Paulo, tem como base investigação feita pela Polícia Civil, que culminou com a prisão em flagrante dos dois homens, surpreendidos portando artefatos explosivos e liderando manifestantes no enfrentamento de policiais.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia