Marina fala em providência divina por não embarcar no voo

Ex-senadora será declarada oficialmente candidata do PSB à presidência, na quarta-feira

Por O Dia

Rio - Na primeira aparição pública desde a morte de Eduardo Campos, Marina Silva creditou ontem à existência de uma ‘providência divina’ o fato de não ter embarcado no trágico voo, que caiu quarta-feira em Santos, com o presidenciável do PSB.

“Penso que existe uma providência divina em relação a mim, ao Miguel, a Renata e ao Molina”, disse Marina a jornalistas, durante o voo que a levou de São Paulo para Recife para o funeral de Campos.Ela referia-se à mulher, ao filho e a um assessor do ex-governador de Pernambuco.

Foi Renata Campos quem consolou Marina Silva%2C no primeiro encontro entre as duas desde o trágico acidenteEstadão Conteúdo

Sem confirmar sua candidatura à Presidência no lugar do ex-governador de Pernambuco, Marina afirmou ter “senso de responsabilidade e compromisso com o que a perda de Eduardo nos impõe”.

No início da noite de ontem, Marina chegou à casa da família Campos descendo vagarosamente os 13 degraus que dão acesso ao terraço onde estava a viúva Renata. “É essa a sua força”, disse Marina, que, segundo familiares, foi consolada pela viúva. Junto com Marina, havia mais de 20 pessoas, entre políticos, assessores e familiares.

A ex-senadora só se transformará oficialmente em presidenciável na próxima quarta-feira, quando o PSB chancelar seu nome na cabeça de chapa. Mas já foi tratada como tal pelo coordenador do programa de governo pelo PSB, Maurício Rand, que a recepcionou, chamando-a de ‘presidenta’.

O dia ontem na capital pernambucana foi de muita expectativa, na véspera do enterro do ex-governador Eduardo Campos, marcado para a hoje, às 17h, no Cemitério Santo Amaro. Antes mesmo da chegada dos restos mortais do ex-governador, dezenas de líderes políticos desembarcaram em Recife e foram à casa da família Campos. A presença da cúpula do PSB na residência fez com que se especulasse uma reunião, onde seria batido o martelo sobre o novo nome para disputar a Presidência da República.

O presidente do PSB, Roberto Amaral, bastante incomodado, garantiu que nada foi tratado acerca das eleições, e que ninguém tinha condições emocionais de tratar do tema. Ele assegurou que a decisão será divulgada apenas na próxima quarta-feira, às 15h, em Brasília.

“É muito chato ficar respondendo essas coisas. O Eduardo era nosso amigo e viemos aqui abraçar a Renata e a família. Todo o resto será discutido depois. Antes de quarta-feira, tudo o que for divulgado será especulação. Nós viemos aqui apenas nos despedir do nosso amigo”, frisou um emocionado Roberto Amaral.

O deputado Beto Albuquerque (PSB-RS), que até o início da tarde era o mais cotado para compor a chapa como vice de Marina, disse que abrirá mão da candidatura caso Renata Campos decida concorrer à vice-presidência. “Se ela quiser, será ela”, afirmou o deputado.

Para confirmar a candidatura da viúva, a cúpula do partido depende de duas questões fundamentais: saber se Renata topa a empreitada, e se ela está ou não licenciada do cargo no Tribunal de Contas do Estado. Segundo amigos próximos à família, Renata, a princípio, prefere dar atenção aos cinco filhos neste momento. Mas nada está definido.

Pernambucanos apoiam Marina Silva para presidenta

A polêmica em torno da escolha do nome a substituir Eduardo Campos nas eleições presidenciais não encontra acolhida em Pernambuco. No estado do ex-governador e candidato, há um consenso em torno do nome de Marina Silva, que era candidata a vice em sua chapa. Para os pernambucanos, o justo é ceder a vaga a quem estava mais próximo de Campos. E Marina não só atende a este requisito, como é, também, o nome mais forte eleitoralmente.

“Política tem lógica. E a lógica é ascender Marina. É fato consumado. Ela era da absoluta confiança de Eduardo”, disse o senador Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE), que é dissidente do diretório nacional do partido e apoiava Eduardo Campos. Nesta eleição, concorrerá a uma vaga na Câmara dos Deputados.

A candidatura de Marina, assim, está definida, com o aval do novo presidente do PSB, Roberto Amaral. Ele foi convencido pelos aliados a aceitar a candidatura com a condição de que Marina respeitasse os acordos regionais feitos pelo partido e abraçasse o programa de governo do PSB de forma integral, o que foi acordado entre as partes.
O anúncio oficial da candidatura só será feito após o sepultamento hoje de Eduardo Campos. O horário eleitoral gratuito no rádio e na TV terá início na terça-feira e o partido quer que tudo esteja resolvido até lá.

A única pendência é em relação ao candidato a vice na chapa. O nome de Renata Campos, viúva de Campos e defensora da candidatura de Marina Silva, está fora de cogitação. Renata não abre mão de cuidar dos filhos neste momento, e também não poderia aceitar o convite. Para se candidatar, ela precisaria estar licenciada do Tribunal de Contas de Pernambuco.

O deputado Beto Albuquerque (PSB-RS), assim, está entre os mais cotados para a vaga de vice. Os pernambucanos Mauricio Rands e Fernando Bezerra Coelho, também do PSB, são algumas alternativas, bem como o deputado mineiro Julio Delgado.

'Família Arraes é gente da gente'

A sepultura onde serão enterrados os restos mortais do ex-governador Eduardo Campos chama a atenção de quem chega ao cemitério público Santo Amaro, o maior do Recife. Mas não pela pompa do mausoléu, até porque não há qualquer mausoléu. A família Arraes tem apenas uma sepultura simples, junto ao chão, no setor popular.

Nos últimos dias, os funcionários da prefeitura fizeram alguns retoques no local, mas preservando as características e desejos da família de Campos, que será enterrado na mesma sepultura do avô, Miguel Arraes, que também governou Pernambuco, onde é idolatrado até hoje.

“Fizemos algumas adequações a pedido dos familiares, mas nada grandioso. A família de Eduardo Campos é de gente comum, não gosta de pompa. Eles são gente da gente”, conta a jardineira Ivanise Santos, que há dez anos cuida do túmulo de Miguel Arraes e, agora, também de Eduardo Campos. O cemitério Santo Amaro ficará aberto ao público durante todo o fim de semana.

Últimas de _legado_Brasil