Anvisa aprova uso do canabidiol como medicamento legalizado

Substância química é encontrada na maconha e pode ser utilizada para tratar de enfermidades como a epilepsia

Por paulo.lima

Brasília - O canabidiol (CBD), composto presente na maconha, deixou de ser proibido no país. A decisão, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), colocou o CBD na lista de substâncias controladas. Com a medida, anunciada ontem, a Anvisa pretende facilitar pesquisas e o acesso ao produto, usado para tratar males como epilepsia em crianças que não respondem bem a outros medicamentos.

A decisão foi tomada em reunião da Diretoria Colegiada da Anvisa, por unanimidade.“Discutimos a reclassificação de um canabinóide específico, que não causa dependência e não tem efeito psicotrópico. Não tem relato na literatura de efeitos adversos na sua utilização”, disse o Diretor-Presidente da Anvisa, Jaime Oliveira.

Canabidiol pode ser utilizado para tratamento de certas enfermidades como a epilepsia graveReprodução / TV TEM

Como não existe produto com CBD registrado no Brasil, a necessidade de importação permanece. Além disso, para o procedimento, ainda são necessárias as autorizações excepcionais concedidas pela Anvisa. Isso porque todos os produtos disponíveis no mercado contêm outros canabinoides que continuam proibidos no país, como o THC. Segundo a Anvisa, porém, em 40 dias deverá ser publicada uma resolução que flexibiliza o trâmite.

Moradora do Rio de Janeiro, a engenheira Aline Voigt, 37 anos, comemorou a reclassificação da Anvisa e acredita que a medida vai facilitar a importação do remédio da filha, Maria Clara, 7. Além de epilepsia, a menina tem a Síndrome de Rett e faz uso do medicamento à base de canabidiol desde julho do ano passado.

“Quando o remédio chegava, tinha de ir até o aeroporto de Viracopos para retirá-lo junto à Polícia Federal, ou pagar um despachante para fazer isso. Agora deve mudar”, conta.

Ainda segundo a agência, pesquisas com canabidiol serão facilitadas no Brasil, o que pode levar ao desenvolvimento de um medicamento em território nacional. Há cerca de um mês, a Anvisa recebeu o primeiro pedido de registro de um medicamento no país com CBD. O pedido, apresentado por um laboratório estrangeiro, ainda será analisado.

Mais produtos podem ser autorizados

O canabidiol é uma das 400 substâncias da maconha e já é usado em diversos países, como Estados Unidos e Inglaterra. Além de epilepsia, também pode ser usado para Mal de Parkinson. Desde a simplificação do procedimento de importação de produtos à base do composto, no ano passado, o prazo médio de resposta da Anvisa aos pedidos de importação excepcional é de quatro dias. Agora a expectativa é de que esse prazo caia para até dois dias.

A medida também deve ter efeito na disposição dos profissionais de saúde em utilizar o CBD como recurso quando a avaliação médica apontar essa necessidade, já que o uso desta substância no país não será mais considerado ilegal. Em dezembro, o Conselho Federal de Medicina autorizou médicos a prescreverem o canabidiol para uso terapêutico.

De acordo com Jaime Oliveira, a Anvisa também está discutindo um acordo de cooperação com universidades brasileiras para que os pacientes que estão fazendo uso do CBD possam ser monitorados. O objetivo é obter mais dados sobre os riscos e benefícios do produto.

Mulher com câncer usou maconha e marido foi indicado por tráfico

A Repense, campanha de informação sobre o uso terapêutico da maconha, lançou ontem o curta-metragem ‘(IN)Justiça’. O filme conta a história da designer e vítima do câncer de ovário, Thaís Carvalho, de Belém, no Pará. Ela usou a maconha para aliviar os sintomas de náusea e dores da quimioterapia. O marido da paciente, Jairo Carvalho, que cultivou a planta para fornecê-la à esposa, foi indiciado por tráfico internacional de drogas, por importar sementes para uso medicinal. Outros remédios indicados por médicos não tiveram sucesso no controle dos efeitos colaterais.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia