Mais Lidas

Itamaraty condena ataques do grupo radical islâmico Boko Haram na Nigéria

Estima-se que pelo menos 2 mil pessoas morreram apenas nos ataques à cidade de Baga nos últimos dias

Por paulo.lima

Brasília - O governo brasileiro manifestou nesta quarta-feira preocupação com os atos de violência cometidos pelo grupo radical islâmico Boko Haram na Nigéria. Em nota divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, o governo condena os ataques que vêm vitimando grande número de civis no país africano.

“O governo brasileiro reitera seu repúdio, nos mais fortes termos, a todo e qualquer ato de terrorismo e manifesta a solidariedade fraterna do povo brasileiro ao povo irmão e ao governo da Nigéria”, diz a nota.

Desde 2009, o Boko Haram vem atacando civis, principalmente na Região Nordeste do país. O total de mortos, feridos e deslocados pela violência do grupo é incerto, mas fontes nigerianas e a imprensa local falam em pelo menos 2 mil mortos apenas nos ataques na cidade de Baga dos últimos dias - mesmo número citado pelo Itamaraty na nota de hoje.

Segundo a Agência Nacional de Gestão de Emergência (Nema) da Nigéria, mais de 3,2 mil pessoas já abandonaram Baga, fugindo aos recentes ataques. Essas pessoas estão refugiadas em 11 acampamentos sob os cuidados da Nema.

Jornais nigerianos falam em mais de 800 mil deslocados pelos ataques do Boko Haram nos últimos anos. Além de matar e expulsar parte dos moradores de pequenos vilarejos e cidades desguarnecidas, os integrantes do grupo radical são acusados de sequestrar jovens com o objetivo de recrutá-los e usá-los em novos ataques.

Na véspera do Ano-Novo, 40 crianças e adolescentes do sexo masculino foram sequestrados em uma aldeia. A organização humanitária Anistia Internacional considerou a ação do Boko Haram o “massacre mais mortal já feito pelo grupo armado islamita em um longo histórico de ataques hediondos”.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia