Na TV, Dilma defende ajuste fiscal e pede paciência à população

‘Sociedade precisa dividir esforço’, diz ela

Por felipe.martins , felipe.martins

Brasília - A presidenta Dilma Rousseff defendeu neste domingo o ajuste fiscal que está sendo promovido para que o país volte a crescer. Em pronunciamento em rede nacional de rádio e TV, Dilma afirmou que, na tentativa correta de defender a população, o governo absorveu, até o ano passado, todos os efeitos negativos da crise econômica internacional, “lançando mão do Orçamento para proteger o crescimento, o emprego e a renda das pessoas”. Ela disse que não havia como prever que a crise duraria tanto tempo.

Dilma destacou que as correções na economia são a forma de dividir a carga negativa com os setores da sociedade. “As medidas estão sendo aplicadas de forma que as pessoas, as empresas e a economia as suportem. Este processo vai durar o tempo que for necessário para reequilibrar a nossa economia. Mais importante, no entanto, do que a duração dessas medidas será a longa duração dos seus resultados e dos seus benefícios”. A presidenta lembrou que as medidas incluíram o corte de gastos do governo, a revisão de certas distorções em alguns benefícios e a redução parcial de subsídios de créditos e desonerações nos impostos, “dentro de limites suportáveis pelo setor produtivo”.

PACIÊNCIA

A presidenta pediu “paciência e compreensão” da população. “Você tem todo direito de se irritar e de se preocupar. Mas lhe peço paciência e compreensão porque esta situação é passageira. O Brasil tem todas as condições de vencer estes problemas temporários e esta vitória será ainda mais rápida se todos nós nos unirmos neste enfrentamento”. Dilma Rousseff se comprometeu a continuar investindo em infraestrutura.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia