CPI da Petrobras ouvirá 14 pessoas na próxima semana

O prazo final para a CPI encerrar os trabalhos foi prorrogado até 7 de setembro

Por karilayn.areias

Brasília - Depois de mais um dia sem depoimentos, a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras se prepara para ouvir 14 pessoas na semana que vem e votar novas convocações como a do ex-ministro da Controladoria Geral da União (CGU), Jorge Hage.

Na reunião desta terça-feira, os empreiteiros Sérgio Cunha Mendes, vice-presidente da Construtora Mendes Júnior, e Dario Queiroz Galvão Filho, presidente da Galvão Engenharia, denunciados por pagamento de propina e lavagem de dinheiro, usaram o direito de permanecer calados e foram dispensados pelo presidente da CPI, deputado Hugo Motta (PMDB-PB), a pedido do relator, deputado Luiz Sérgio (PT-RJ).

A dispensa foi criticada por alguns deputados. “Eu quero fazer perguntas”, protestou o deputado Ivan Valente (Psol-RJ).

O deputado Aluisio Mendes (PSDC-MA), que é delegado da Polícia Federal, também reclamou. “A CPI tem uma função didática, de mostrar ao País como funciona o esquema. E muitas vezes o depoente diz que não vai falar e acaba falando, como o ex-deputado Pedro Corrêa”, disse o deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS).

Júlio Faerman
Dos 14 depoimentos marcados para a próxima semana, o mais aguardado é o do empresário Júlio Faerman, ex-representante comercial da empresa holandesa SBM Offshore no Brasil. Ele é suspeito de ter feito pagamento de propinas a ex-diretores da Petrobras em troca de contratos com a estatal.

Faerman já havia sido convocado a depor, mas não foi localizado. Ele só se dispôs a depor depois que a CPI aprovou a convocação do filho e do sócio dele. Ele será ouvido na terça-feira.

Na segunda-feira, serão ouvidos sete funcionários da Petrobras que tiveram participação nas obras das refinarias Abreu e Lima, em Pernambuco, e Henrique Lage (Revap), em São José dos Campos (SP).

Na quarta, serão ouvidos outros seis funcionários de segundo e terceiro escalão da Petrobras, envolvidos em processos de licitação, compras e até comunicação da empresa.

Novas convocações
Já na quinta-feira, a CPI vai se reunir para votar requerimentos de convocação. O presidente da comissão, deputado Hugo Motta (PMDB-PB), quer votar pedidos de acareação entre acusados que fizeram acordo de delação premiada com a Justiça – como o ex-diretor Paulo Roberto Costa e o ex-gerente de Tecnologia Pedro Barusco.

Mas há outros pedidos que também devem ser votados. Um deles é o depoimento do empresário Júlio Camargo, um dos delatores do esquema, que relatou em depoimentos ter feito pagamento de propina a diretores e agentes políticos.

Já o relator da CPI, Luiz Sérgio (PT-RJ), avisou que vai priorizar a convocação de Jorge Hage e a definição da data do depoimento de Antônio Gustavo Rodrigues, presidente do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf).

A presença de Jorge Hage é motivada pelas informações que o advogado inglês Jonathan Taylor deu à CPI em depoimento realizado em Londres. O advogado participou de investigação interna na empresa holandesa SBM Offshore a respeito do pagamento de propina a diretores da Petrobras e agentes políticos em troca de contratos e disse que a CGU não investigou a denúncia no ano passado em função das eleições.

Já o presidente do Coaf deve comparecer à CPI para explicar como se dá a fiscalização do mercado financeiro, principalmente relativo a negociações de câmbio. Essa vertente das investigações decorre do teor do depoimento da doleira Nelma Kodama, parceira de Alberto Youssef.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia