Restaurante onde gerente chamava garçonete de 'garota de programa' é condenado

Segundo a ação, ofensas eram feitas na frente de outros colegas de trabalho e de clientes do restaurante, de Curitiba

Por karilayn.areias

Curitiba - Um restaurante em Curitiba terá de pagar uma indenização de R$ 5 mil depois de um gerente da casa chamar uma das garçonetes de "garota de programa". A decisão foi da 7º Turma de desembargadores do TRT-PR, mas ainda existe a possibilidade de recurso.

A ofensa foi feita por uma gerente do Restaurante Trieste, no bairro de Santa Felicidade (conhecido pela oferta gastronômica), em Curitiba. Segundo site do TRT-PR, o funcionário a chamava de "garota de programa" na frente de outros colegas de traballho e de clientes.

Ainda de acordo com o site do TST, testemunhas disseram que o convívio com a gerente do estabelecimento "era péssimo", que ela "não tinha educação", falava alto e gritava com as funcionárias.

O tratamento dado à garçonete era ainda pior. A gerente costumava alertar para que as pessoas não ficassem perto da garçonete porque ela era "garota de programa".

Para os desembargadores, os depoimentos foram suficientes para comprovar que a gerente do restaurante ofendia a trabalhadora com acusações desrespeitosas, "capazes de manchar sua reputação".

A jovem foi contratada como garçonete para a empresa Paulin & Comunello Ltda, mas ao longo do contrato passou a ajudar em outras atividades, como cozinha, limpeza e na montagem de eventos. Ainda na primeira instância os direitos relativos ao trabalho fora da função foram reconhecidos.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia