De Olho na Política: Diferenças entre Dilma e Collor

O que é necessário para possível processo de impeachment, e foi decisivo no caso de Collor, ainda não apareceu: prova

Por bferreira

Rio - A assessoria técnica do deputado Eduardo Cunha (PMDB -RJ) conclui nesta segunda parecer sobre o pedido de impeachment contra a presidenta Dilma Rousseff, protocolado pelo jurista Hélio Bicudo. Curioso é saber como se mantém o anunciado propósito de tirar do poder a chefe do Executivo, eleita pela maioria, sem que haja contra ela até o momento qualquer indício de crime. Esta é a grande diferença entre Dilma e o outro presidente que foi apeado do poder antes da hora, Fernando Collor. O caso é usado pela Oposição (e por alguns leitores da coluna) como parâmetro. Aí está o que os separa: contra ele, os adversários tinham como prova uma Fiat Elba, comprada com dinheiro da conta-fantasma de seu tesoureiro de campanha, PC Farias; contra ela, até agora, não há elemento nenhum.

É claro que tudo pode mudar. O TCU ainda não julgou as ‘pedaladas fiscais’ do governo, ou seja, os atrasos nos repasses do Tesouro Nacional aos bancos públicos para pagar os benefícios sociais e previdenciários. Esse recurso já foi usado várias vezes em gestões anteriores, sem nenhuma objeção do tribunal. Apesar disso, se as contas forem reprovadas, a discussão poderá tomar outro rumo.

Também poderá vir, quem sabe, das delações da Operação Lava Jato alguma pista que revele a ligação direta com as propinas pagas por empreiteiros com a campanha de reeleição de Dilma. Isso seria algo bastante comprometedor, tanto para a presidenta quanto para seu vice, Michel Temer. Caso essa suspeita se confirme, ela e ele correriam sério risco de deixar o Palácio do Planalto, pois ambos são da mesma chapa.

Tudo isso, porém, existe apenas no terreno das hipóteses. Nada foi provado até aqui contra Dilma. Compreende-se que o ódio ao PT, a revolta contra os descaminhos da economia e a baixa popularidade façam aumentar o tom das reclamações contra o governo. Mesmo assim, em um regime que não seja parlamentarista, como é o nosso caso, nada disso é suficiente para a retirada de uma presidenta antes do fim do mandato. O que é realmente necessário para um possível processo de impeachment, e foi decisivo no caso de Collor, ainda não apareceu: as provas.

POR TRÁS DA TRIBUNA

A história foi contada ao repórter Geneton Moraes Neto, por Cleto Falcão, líder do partido do governo de Fernando Collor na Câmara dos Deputados.

Collor encontrou-se com Jânio Quadros em Roma, pouco antes da eleição presidencial de 89. Depois de uma introdução cordial, ao saber que o então candidato tinha 39 anos, Jânio soltou: “Muito novo para ser presidente!”

Collor tentou contornar. “Mas gostaria de lembrar que o senhor foi presidente muito jovem, com pouco mais de 40 anos!”.

Jânio, que bebia uma taça de vinho, virou-a de uma vez só e deu um soco na mesa, antes de responder: “E deu na merda que deu!”

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia