Prefeita ‘ostentação’ dorme em prisão de luxo

Suspeita de desviar recursos da merenda escolar, Lidiane disse à PF que estava em uma aldeia indígena de Bom Jardim

Por O Dia

Maranhão - Foragida durante 39 dias, a ex-prefeita de Bom Jardim, no Maranhão, Lidiane Leite da Silva afirmou ontem, em depoimento à Polícia Federal que estava escondida em uma aldeia indígena na cidade que governava.Na primeira noite em que ficou presa, a ex-prefeita dormiu num alojamento de médicos do Corpo de Bombeiros, em São Luís. No local, há ar-condicionado, duas camas de solteiro e banheiro privativo.

Prefeita Lidiane Leite costumava ostentar em redes sociaisReprodução Internet

Sua defesa conseguiu uma liminar suspendendo a decisão que determinava transferência da ex-prefeita para a Penitenciária de Pedrinhas, palco de rebeliões violentas.

Conhecida como “prefeita ostentação”, Lidiane postava “selfies” ostentando luxo nas redes sociais. Ela é suspeita de desviar recursos que podem chegar a R$ 15 milhões da área da educação da cidade, onde há escolas funcionando debaixo de árvores. Lidiane deverá responder pelos crimes de peculato, fraude à licitação e associação criminosa.

Aos policiais, Lidiane alegou que estava em uma aldeia indígena de Bom Jardim e que não sabia que estava sendo procurada. A versão foi contestada pelo delegado Ronildo Lajes, responsável pela investigação. “Está claro que é uma estratégia dos advogados.Isso foi manobra para querer dizer que ela não estava em fuga”, disse o delegado.

A prefeita foi afastada do cargo pela Câmara Municipal no início deste mês.

Últimas de _legado_Brasil