Governo Dilma entrega ao Senado defesa sobre 'pedaladas fiscais'

Presidente da República reitera defesa já apresentada ao TCU focando em nove pontos específicos citados pelo tribunal

Por karilayn.areias

Brasília - O presidente do Senado, Renan Calheiros, recebeu, nesta quarta-feira, um documento com mais de 50 páginas por meio do qual a presidente Dilma Rousseff apresenta sua resposta ao parecer apresentado pelo Tribunal de Contas da União (TCU) sobre a rejeição das contas do governo referentes a 2014. O parlamentar disse que o enviará imediatamente à Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização (CMO).

Ministro-chefe da Casa Civil%2C Jaques Wagner%2C entrega documento a Renan Calheiros%2C nesta quartaAgência Senado

Com a resposta, a presidente da República exerce seu direito de contraditório antes que a comissão comece a examinar a decisão do TCU. O ministro-chefe da Casa Civil, Jaques Wagner, e o titular da Advocacia-Geral da União, ministro Luís Inácio Lucena Adams, entregaram o documento ao presidente do Senado.

No texto, Dilma reitera a defesa já apresentada ao TCU quando do exame de suas contas e traz uma compilação feita pela AGU. Foca em nove pontos que foram recomendados ao governo pelo TCU. Os anexos reproduzem notas técnicas do Tesouro Nacional e do Banco Central – segundo informou a assessoria de imprensa da Casa Civil.

"Desgovernança fiscal"

Em 7 de outubro, por oito votos a zero, os ministros do TCU entenderam que o governo cometeu irregularidades na gestão das contas federais, melhorando artificialmente o resultado do orçamento do ano passado e evitando, assim, cortes de gastos em ano eleitoral. O relator do processo, ministro Augusto Nardes, disse na ocasião que a falta de transparência do governo caracterizava "um cenário de desgovernança fiscal".

Enviada a decisão do TCU para o Senado, em 21 de outubro, Renan Calheiros decidiu abrir um prazo de 30 dias, prorrogável por mais 15, para que Dilma Rousseff pudesse apresentar a sua defesa. O presidente do Senado justificou o prazo invocando a importância de evitar eventuais alegações futuras de nulidade do processo com o argumento de que teria sido insuficiente o tempo dado para a defesa prévia.

"Entendo devido conceder à parte interessada, nos mesmos moldes que se fez no âmbito do Tribunal de Contas da União por ocasião do exame técnico da prestação de contas, o prazo de trinta dias, prorrogável, se for o caso, por mais quinze dias, para que, se o desejar, possa exercitar o contraditório nos presentes autos", disse Renan em despacho lido no Plenário.

Após o envio do processo, acrescido da defesa de Dilma, à Comissão Mista de Orçamento, novos prazos serão cumpridos até a votação na qual se decidirá pela confirmação ou não do parecer do TCU. Só então o processo será enviado para votação no Plenário do Congresso.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia