Maioria dos brasileiros quer a cassação de Eduardo Cunha

Com rejeição crescente entre a população brasileira, segundo pesquisa Datafolha, o peemedebista diz que não precisa ‘ter popularidade’. 76% defendem sua renúncia

Por felipe.martins , felipe.martins

Brasília - Pesquisa do Instituto Datafolha aponta crescimento da rejeição do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Pelo levantamento, 76% dos entrevistados defendem que Cunha renuncie à presidência da Câmara, enquanto apenas 12% avaliam que ele deveria permanecer no cargo.

“Eu não preciso ter popularidade. Diferente da presidente da República, que foi eleita pela maioria absoluta da população brasileira, fui eleito por um segmento do meu Estado. Não tenho que buscar popularidade. Tenho que buscar exercer o meu papel com correção no Parlamento”, reagiu ontem Cunha, ao comentar o resultado da pesquisa. Há dois meses, 65% dos entrevistados defendiam a renúncia de Cunha.

Pelo Datafolha, 78% defendem que Cunha tenha o mandato cassado Wilson Dias / Agencia Brasil

Na pesquisa, os entrevistados também opinaram sobre eventual cassação do peemedebista. Para 78% dos ouvidos, Cunha deve perder o mandato de deputado federal, enquanto 8% são contrários. O crescimento da antipatia da população à presença de Cunha no comando da Câmara contrasta com a diminuição na avaliação negativa do Congresso.Entre pesquisas Datafolha feitas em dezembro e nos dias 24 e 25 da semana passada, o pedido pela renúncia de Cunha subiu 11 pontos. Já a reprovação ao Congresso caiu cinco pontos (de 53% para 48%).

Sobre a eventual cassação do mandato de Cunha, 78% dos brasileiros são a favor de que isso aconteça.No levantamento feito em dezembro, o índice era de 82%. A pesquisa da semana passada foi formulada com base em 2.768 entrevistas com pessoas de 16 anos ou mais em 171 municípios.




Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia