Valor de aluguel de lojas em shoppings dobra em cinco anos no Brasil

Aumento ocorre entre shoppings e corredores comerciais de lojas de luxo como no comércio popular

Por juliana.stefanelli

São Paulo - No rastro do bom desempenho de vendas do varejo, os preços dos aluguéis de lojas em shopping centers consolidados e nos principais corredores comerciais do País quase dobraram nos últimos cinco anos e o valor do ponto, que é a luva, triplicou.

"Nunca foi tão caro e difícil para as redes varejistas conseguir cumprir seus planos de expansão", afirma Marcos Hirai, diretor da Real Estate BG&H, consultoria do Grupo Gouvêa de Souza especializada em prospectar pontos comerciais para empresas do varejo.

Isso ocorre tanto entre shoppings e corredores comerciais de lojas de luxo como no comércio popular, voltado para a nova classe média brasileira. Segundo executivo, a consultoria, com 28 redes varejistas como clientes, tem a incumbência de encontrar 350 lojas nos próximos 12 meses para essas empresas. "Não vamos necessariamente conseguir abrir essas lojas pela dificuldade de encontrar pontos de venda", calcula.

Hirai conta que há fila para locação das lojas de rua em corredores comerciais importantes e nos shoppings consolidados. "Cinco anos atrás demorava um mês para encontrar um ponto. Hoje varia entre oito e catorze meses". Também, segundo ele, o índice de vacância despencou, de 7% para menos de 1%, em igual período.

Paradoxo

Na avaliação de Hirai, atualmente o mercado de locação de lojas vive um paradoxo: há fila de espera nos shoppings consolidados e faltam lojistas para shoppings novos. É que os lojistas querem expandir a rede e aproveitar o bom momento do consumo, mas não estão dispostos a esperar o tempo de maturação dos shoppings novos.

"Eles preferem ficar na fila de espera nos shoppings consolidados porque não têm capital de giro para entrar num empreendimento novo e aguardar que ele se consolide", observa o consultor. Para Francisco de Paula Carvalho Pereira, diretor de Novos Negócios da CCP (Cyrela Commercial Properties), que administra quatro shoppings, fila é um exagero. Mas ele confirma que "a procura por lojas é bastante boa".

Tanto é que a taxa de lojas vagas caiu pela metade nos últimos três anos, de 6% para 3%, "Esse índice é bastante baixo e saudável." Diante do aumento do consumo, o executivo explica que atualmente o cenário está tão favorável para os shoppings que muitas vezes quem provoca vacância da loja é o próprio administrador do shopping que não está satisfeito com o desempenho do lojista. Isso só é possível porque há outro lojista interessado no ponto.


Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia