Plano de saúde de aposentado

Governo começa a discutir modelo que poderá ter como base a rede do SUS e custo baixo

Por bferreira

Rio - O governo federal deu sinal verde para que as centrais e os sindicatos de aposentados apresentem proposta de criação de plano de saúde que atenda idosos com prioridade. A iniciativa será em parceria com o Ministério da Saúde. Uma possibilidade que será discutida na segunda-feira pelos sindicalistas, antes de encaminharem a proposta ao Planalto, é adoção de modelo que tem como base o Sistema Único de Saúde (SUS). Seria cobrada contribuição dos segurados do INSS que ganham mais e a verba investida diretamente na rede do SUS. A proposta é do Sindicato Nacional dos Aposentados, ligado à Força Sindical.

O ministro da Previdência Social%2C Garibaldi Alves Filho%2C recebeu representantes dos aposentados para discutir a pauta de reivindicaçõesDivulgação

“Adaptamos o sistema italiano, que prevê a contribuição para quem ganha mais de 800 euros. Até essa faixa, o aposentado é isento lá na Itália. A ideia é incluir o SUS em um grande projeto nacional de atendimento”, afirma o presidente do sindicato, João Batista Inocentinni.

Segundo ele, o plano de saúde teria condições também de ser usado nas unidades ociosas dos hospitais particulares. “Nós poderíamos comprar vagas que estão vazias da rede particular”, disse.

O presidente da Confederação Brasileira de Aposentados (Cobap), Warley Martins, explica que o idoso não será obrigado a participar do plano de saúde. Ele defende que seja uma proposta de consenso entre os aposentados. Ele defende a participação de instituições filantrópicas e da Santa Casa. “Vamos discutir e acertar a proposta única na segunda-feira”, avisou.

Um projeto final será apresentado no dia 3 julho em novo encontro com representantes do governo. Na quarta-feira, um grupo de sindicalistas se reuniu com os ministros da Previdência Social, Garibaldi Alves Filho, e da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, quando foi colocada na mesa as reivindicações que serão discutidas ao longo do ano.

A ideia de ter facilidade no atendimento agradou. O aposentado Péricles Sanches, de 74 anos, considera que atualmente o SUS não funciona. “Acho boa ideia ter facilidades para que idosos tenham planos de saúde”, afirmou.

MEDICAMENTOS

CESTA DE REMÉDIOS
Além da criação do plano de saúde, os aposentados também vão debater a manutenção e a ampliação da cesta de medicamentos de uso contínuo distribuídos gratuitamente ou com preços reduzidos. Até o dia 14 deste mês, os representantes dos idosos vão apresentar uma lista de remédios, que são mais usados

MAIS RECORRENTES
De acordo com o presidente do Sindicato dos Aposentados, João Batista Inocentinni, o objetivo é consultar médicos do SUS para verificar quais os medicamentos têm sido mais usados por idosos. Com essa indicação, eles vão propor ao governo a inclusão na cesta de medicamentos.

RECEITADOS
“Não adianta dar remédio de graça ou com preço mais baixo, se não for aquele que os médicos receitam para os doentes”, reclama Inocentini.

PRESSÃO E DIABETES
Os aposentados querem que a cesta tenha mais remédios contra pressão alta, diabetes e problemas circulatórios.

DISCUSSÃO DA PAUTA
O ministro Gilberto Carvalho destacou o compromisso do governo em discutir todos os pontos da pauta dos aposentados. Já o ministro Garibaldi Alves disse ter ficado satisfeito com o fato de o grupo que se reuniu avançar definindo metodologia de trabalho. Uma pauta será fechada para ser discutida ao longo do ano.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia