Consumidor é atacado por fraude a cada 15,6 segundos

Descuido com documentos e dados pessoais facilita tentativa de ação dos golpistas

Por bferreira

Rio - O consumidor brasileiro está exposto a tentativas fraudes a cada 15,6 segundos. Na maioria dos casos, os criminosos usam dados pessoais, como identidade e CPF, conseguidos por meio de roubo ou perda. Levantamento da Serasa Experian — o Indicador de Tentativas de Fraudes —, divulgado ontem, revela que foram registrados 837.641casos nos cinco primeiros meses deste ano. Houve alta de quase 5% em relação ao mesmo período de 2011.

Wallace Falcão adota alguns cuidados para evitar receber notas falsas e identificar cartões clonados no caixaCarlo Wrede / Agência O Dia

Os setores de Telefonia, Serviços e Financeiro são os três mais visados por fraudadores. Aposentados do INSS também ficam vulneráveis devido às facilidades na concessão de empréstimos consignados.

“O brasileiro não tem costume de cuidar de seus documentos. Quando perde ou é roubado acaba não oficializando o extravio. O ideal é que se faça um boletim de ocorrência em uma delegacia policial. Os criminosos são ágeis e se aproveitam dessas situações”, orienta o economista Carlos Henrique Almeida, da Serasa Experian.

RISCO PELA INTERNET

De acordo com a empresa, com apenas a identidade ou CPF em poder dos golpistas, dobra a possibilidade de o consumidor ser vítima de fraude. Clonagem de cartões e cheques também são problemas a cada dia mais comuns.

Almeida lembra ainda que compras pela internet e transações financeiras também são alvos de fraudadores. O risco cresce pelo fato do consumidor informar dados do cartão de crédito, por exemplo, em sites sem segurança.

Setor de telefonia é o campeão com 40% dos casos

O setor de telefonia é o campeão de tentativas de fraude. Segundo a Serasa, teve 330.920 casos contra o consumidor de janeiro a maio, 40% do total. A compra de celulares com documentos falsos ou roubados é a principal forma de fraude. Para tentar coibir a prática, a Anatel deu prazo até janeiro de 2013 para que as companhias criem sistema para bloquear aparelhos piratas.

Já o de serviços (seguradoras, pacotes turísticos, salões de beleza) ficou em segundo, com 268.628 tentativas de golpe (32%). Em terceiro estão bancos e financeiras, com 159.129 casos (19%). O varejo vem em quarto, com 65.643 tentativas (8%). Em última colocação vêm os demais serviços com 13.321 (2%).

O INSS informou que não faz contato com aposentados por telefone para pedir informações pessoais nem as repassa a instituições que fazem consignado.

A Febraban divulgou que os bancos investem cada vez mais em segurança. Em 2011 destinaram R$ 1,8 bilhão para infraestrutura, recursos tecnológicos e humanos para evitar possíveis tentativas de fraudes.

CUIDADOS

ESTRANHOS
Não passar dados pessoais a pessoa estranha.

POR TELEFONE
Não dar ou confirmar informações pessoais ou número de documentos por telefone. Ter cuidado com pesquisas.

DE OLHO NO DOCUMENTO
Não perca de vista documentos quando solicitados para protocolos de ingresso em prédios.

DESCONFIE DE SITES
Não faça cadastro em sites que não sejam de confiança. Cuidado com os que anunciam emprego ou promoções. Preste atenção se há cadeado de segurança. Mantenha antivírus atualizado.

REDE SOCIAIS
Cuidado com dados pessoais nas redes sociais que ajudam golpistas a se passar por você.

CADASTRO
Além do BO na delegacia, o consumidor deve registrar extravios no link www.serasaconsumidor.com.br.

NA PRÁTICA
O caixa de loja de conveniência Wallace Falcão, 28 anos, adota cuidados para evitar receber notas de dinheiro falsas e identificar cartões clonados. “Não existe sistema que detecte os clonados, mas percebo quando a máquina recusa várias vezes. Pode ser indício de clonagem”.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia