Qualificação para travar a alta do desemprego

OIT aponta que mais 500 mil brasileiros vão engrossar o grupo de pessoas em busca de colocação. Confira o que dizem especialistas

Por bferreira

Rio - Nos próximos dois anos, o número de pessoas sem trabalho no Brasil aumentará em 500 mil. O alerta é da Organização Internacional do Trabalho (OIT). O informe de que a crise chegaria às nações emergentes, criando assim, um número ainda maior de desempregados começou a sair do papel, como já apontam pesquisas de desemprego no Brasil referentes a junho.

O cenário só não é mais sombrio porque a taxa de desocupação no país está em patamar considerado baixo. Mês passado, o índice ficou em 6%, segundo o IBGE. Estimativas da OIT, aponta que ao final de 2012 o desemprego estava em 6,3% e deve subir a 6,5% este ano e, em 2015, atingirá a marca de 6,6%. O movimento representará sete milhões de brasileiros sem trabalho, o maior número desde 2009.

Porém, de acordo com o professor de economia do Ibmec, Luís Felipe Rossi, os dados não são preocupantes. “Em termos históricos, o Brasil já viveu momentos piores de desemprego. Se olharmos para a crise da Europa e dos Estados Unidos, nós estamos em situação bastante confortável”, analisa.

CRISE ASSUSTA

Desde 2007, 67 milhões de trabalhadores foram vítimas da crise mundial, principalmente nos países ricos. Só a Espanha, por exemplo, amarga um desemprego de 27%. Hoje, 28 milhões de pessoas buscam vagas e outras 39 milhões estão fora do mercado, afirma a OIT.

Para Alessandro Melo, diretor regional do centro de Atendimento ao Trabalhador o problema no Brasil ainda é a falta de qualificação. “Muitos que buscam nosso cadastro não têm formação adequada. As oportunidades existem, mas temos déficit de qualificação”, diz. 

Para não fazer parte das estatísticas, a consultora de RH, Fabiana Goulart, diz que os jovens precisam justamente investir em qualificação. “Devem ficar atentos à dinâmica do mercado e as constantes transformações”, orienta.

Diminui a oferta de vagas em 2013

Dados divulgados pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) mostram que de janeiro a junho deste ano foram criadas 826.168 vagas com carteira assinada no Brasil. Foi o pior desempenho para um primeiro semestre desde 2009, auge da crise econômica internacional, quando foram criados apenas 510.984 postos.

Consultora de RH, Fabiana Goulart dá o caminho das pedras para quem está sem trabalho não continuar de braços cruzados. “Os setores de serviços, varejo e logística estão em franca expansão. Hoje, grande parte das oportunidades estão nessas áreas”, destaca a especialista da agência RH Personalizado.

Mercado quer profissionais experientes

Quem precisa de uma oportunidade no mercado deve ficar atento. Cláudia Mourão, especialista em gestão de pessoas, diz que existe um movimento interessante no país, no qual os profissionais mais experientes, na faixa etária que vai dos 40 aos 55 anos, são bastante requisitados pelos empregadores.

“As grandes empresas, hoje, têm buscado os profissionais com mais experiência. Essa é uma grande chance para voltar ao mercado. Existem também aqueles que correm atrás de recolocação e melhores salários. Para isso, investir na imagem pessoal e na atualização do conhecimento é fundamental”, ensina.

COMO CONQUISTAR UM BOM EMPREGO

O consultor de Recursos Humanos, Robson Zukurov, ensina como conseguir uma boa oportunidade no mercado de trabalho.

QUALIFIQUE-SE

A falta de qualificação aparece como fator determinante para o desemprego, assim como revelam dados do IBGE. Portanto, estudar e se aperfeiçoar é essencial para não perder boas oportunidades de trabalho.

ATUALIZE-SE

Estar atualizado sobre as notícias do país, do mundo e do mercado de trabalho é essencial para entrar e se manter no emprego. Confiança também é fundamental para melhorar o desempenho profissional.

PRATIQUE

A preparação é importante para um bom desempenho nos processos seletivos. Além disso, controle emocional é essencial para equilibrar o nervosismo em um nível que não comprometa o desempenho.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia