Apesar de atuação do Banco Central, dólar volta a subir

Moeda norte-americana avança 0,83%, chegando a R$ 2,41

Por helio.almeida

Banco Central fez intervenções no mercado de câmbio para conter o crescimento%2C e mesmo assim a moeda ainda operava em altaReuters

São Paulo - Apesar das três intervenções do Banco Central (BC), o dólar se manteve ontem acima da barreira de R$2,40. A moeda voltou a fechar no mais alto patamar dos últimos quatro anos. O dólar comercial encerrou ontem vendido a R$ 2,41, com alta de 0,83%. A cotação é a maior desde 3 de março de 2009, quando a divisa foi vendida a R$ 2,44.

Na máxima do dia, a cotação chegou a atingir R$2,4241, por volta das 15h10. O câmbio então perdeu ritmo nas horas seguintes, mas permaneceu acima de R$ 2,40. No ano, a valorização já atingiu 17,96%. Apenas em agosto, a moeda registrou aumento de 5,85%.
Para tentar conter a alta, ontem pela manhã o Banco Central vendeu US$ 1,987 bilhão no mercado futuro. Mesmo assim, a ação não surtiu efeito. A cotação chegou a cair para R$ 2,3906 por volta das 10h40, mas voltou a subir depois das 11h.


O mercado financeiro global enfrenta turbulências devido à perspectiva de que o Federal Reserve (Fed), o Banco Central dos Estados Unidos, reduza os estímulos monetários para a maior economia do planeta.

O Fed pode aumentar os juros e diminuir as injeções de dólares na economia internacional, caso o emprego e a produção nos Estados Unidos mantenham o ritmo de crescimento e afastem os sinais da crise econômica iniciada há cinco anos.

Já a Bolsa de Valores de São Paulo fechou em alta pelo nono pregão consecutivo. O índice subiu 0,07% aos 51.574 pontos e com R$ 12,86 bilhões negociados. É a maior sequência de altas da Bovespa desde agosto de 2010.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia