Defensoria Pública muda banca para concurso

Especialistas dão dicas para a prova da FGV. Candidatos são atraídos pelo bom salário: R$ 3.589,52

Por tamyres.matos

Rio - Com salários que podem chegar a R$3.589,52, o concurso da Defensoria Pública do Rio de Janeiro (DPE-RJ) oferece 321 vagas e está entre as seleções públicas mais cobiçadas no Estado do Rio este ano. Como o certame está marcado para 6 de abril, a corrida para se preparar bem já iniciou. A troca da banca organizadora é a principal mudança no edital, que saiu há 10 dias. Ao invés da Cepuerj, agora é a vez da FGV, conhecida por fazer provas complexas e muito técnicas.

“A banca FGV é muito técnica e cobra um tipo de conteúdo muito específico, testando se o candidato realmente é habilitado intelectualmente para cumprir as funções do cargo”, adverte Fernando Bentes, diretor do site Questões de Concursos.

A concurseira Christiane Vieira diz que está se dedicando primeiro à legislação institucional do estatutoDivulgação

Ao fazer uma análise da prova pelos três cargos oferecidos, o especialista diz que os candidatos a vaga de técnico Médio da Defensoria devem ter um foco maior nas disciplinas da área jurídica (noções de Direito e Legislação Institucional, com 40 pontos totais). “A FGV deve cobrar o conhecimento da lei na forma geral, ou seja, da literalidade legal. Além disso, atenção à prova de Português, que vale 20 pontos”, aconselha Bentes.

Para o cargo de técnico Superior Jurídico, o diretor do site Questões de Concursos aconselha um estudo da jurisprudência dominante de alguns temas mais complexos. “Não há necessidade de estudo especial de decisões judiciais e informativos de tribunais, mas seria bom o candidato atentar para a jurisprudência compilada nos próprios manuais de Direito”, orienta.

Em relação ao edital anterior, de 2010, Bentes conta que houve uma pequena alteração, com a entrada das disciplinas de Direito da Criança e do Adolescente e de Direito do Consumidor, além da diminuição do peso das matérias de Direito Penal e Processo Penal.

“Juntas, elas valem apenas 10 pontos, assim como em Direito Civil e Processo Civil”, comenta. No que se refere à prova do cargo de técnico Superior Especializado (em diversas áreas), o especialista alerta o concurseiro a dar enfoque nas disciplinas específicas.

PRIORIDADES

Aluna da Academia do Concurso, Christiane Vieira, de 31 anos, afirma estar se dedicando primeiro à legislação institucional do estatuto. “É a matéria mais específica e complexa da prova. Também acho que a língua portuguesa fará a diferença por ter peso maior na pontuação”, conta a candidata.

SEM PEGADINHA

“A FGV tem se caracterizado pela colocação de situações hipotéticas para o candidato analisar a lei de forma direta sem as famosas pegadinhas”, comenta João Lasmar, professor da Academia do Concurso.

DIREITO ADM

Professor de Direito Administrativo, João Lasmar diz que as principais matérias de sua disciplina são: administração direta e indireta, atos administrativos, licitações, poderes administrativos e serviços públicos.

INSCRIÇÕES

As inscrições para o concurso do DPE vão até dia 27 no www.fgv.br. As taxas vão de R$ 77 a R$110. Das 321 vagas, 19 são para técnico médio, 252 para técnico superior jurídico, e 50 para técnico superior especializado.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia