Profissionais da Educação das redes estadual e municipal decidem por greve

Ao todo 1,6 milhão de alunos ficarão sem aulas a partir de segunda-feira

Por felipe.martins , felipe.martins

Rio - Profissionais da Educação estadual do Rio e da Prefeitura do Rio vão entrar em greve unificada por tempo indeterminado a partir da próxima segunda-feira, deixando sem aulas 1,6 milhão de alunos das duas redes. A decisão foi aprovada ontem, após assembleia que reuniu 500 pessoas no Clube Municipal, na Tijuca. A categoria ficou dividida entre iniciar a greve hoje ou a partir do dia 12.

Os profissionais reivindicam aumento salarial unificado de 20% para os servidores da Educação e também para os aposentados. Além de plano de carreira que contemple as duas redes de ensino.

Professores entram em greve a partir de segunda-feiraAndré Mourão / Agência O Dia

O Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação (Sepe) do Rio também defende o fim do sistema de meritocracia na avaliação dos docentes e autonomia pedagógica.

Outros temas tratados são o fim da privatização da educação e do repasse das verbas para empresas, bancos, Organizações Sociais e fundações. Término da terceirização e o cumprimento de 1/3 de planejamento extraclasse. Os servidores administrativos também lutam pela carga horária de 30 horas, tema que o Executivo afirma não ter base legal.

Os servidores querem eleição direta para diretores; equiparação salarial entre Professor de Educação Infantil, PI e PII e reconhecimento do cargo de cozinheira escolar.

Ganhos de 2013

A greve da rede estadual no ano passado não teve a mesma representatividade da esfera municipal, que parou por 79 dias. Os servidores da Educação do Município do Rio ganharam aumento de 8% em outubro, além dos 6,75% que foram pagos a todo o funcionalismo da prefeitura em agosto. Houve equiparação na hora-aula entre Professores 2 e da Educação Infantil com Professores 1, entre outros medidas.

Audiência amanhã

A Secretaria Municipal de Educação afirmou que vai se pronunciar sobre a greve somente após ser notificada pelo sindicato. A pasta confirmou que haverá uma audiência amanhã com representantes da pasta e do Sepe. Profissionais reclamam que não houve avanço nos temas pedagógicos assinados no acordo do ano passado e que, por isso, não basta tratar somente as questões salariais.

"Inoportuna"

A Secretaria Estadual de Educação lamentou a decisão do Sepe e afirmou que a greve é “inoportuna”, já que os sindicatos estão em negociação com a pasta. Destacou que este ano o secretário estadual de Educação, Wilson Risolia, recebeu representantes da União dos Professores Públicos do Estado e do Sepe, que compõem o Grupo de Trabalho formado a pedido do Supremo Tribunal Federal (STF).

Os prejudicados

Ainda de acordo com a secretaria estadual, os maiores prejudicados com a greve serão os alunos da rede pública. A pasta reiterou que a proposta de reajuste salarial para todos os servidores da pasta é de 8%, incluindo inativos e pensionistas. Contudo, o texto tem que passar por votação na Assembleia Legislativa. Sobre o Grupo de Trabalho, nova reunião está marcada para o dia 12 de maio.

Ampliação de bônus

A assembleia de ontem durou cinco horas e contou com discursos de educadores e alunos da rede pública. Coordenadora do Sepe, Marta Moraes ressaltou a importância de funcionários da administração e cozinha para o funcionamento da escola. “Os professores têm vale cultura de R$ 500, mas outros profissionais não recebem o benefício. O estado precisa entender que eles também são educadores”.

Demais municípios

Segundo o Sepe, outras redes municipais estão em greve ou se mobilizam. São Gonçalo, por exemplo, está em greve desde 25 de março. Duque de Caxias faz desde terça-feira greve de advertência de 72 horas, que pode ser ampliada, caso o prefeito Alexandre Cardoso não aceite as reivindicações da categoria. Também os servidores de Niterói aprovaram paralisação de 48 horas desde ontem.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia