Coluna do Aposentado: Reunião vai negociar juros do cartão de crédito

Representantes de aposentados e pensionistas do INSS e do governo vão negociar redução dos juros cobrados nas operações com cartão de crédito pelos bancos conveniados

Por adriano.araujo , adriano.araujo

Rio - Representantes de aposentados e pensionistas do INSS e do governo vão negociar, na próxima quarta-feira, a redução dos juros cobrados nas operações com cartão de crédito pelos bancos conveniados com a Previdência Social. No encontro, os líderes do movimento dos aposentados apresentarão proposta para que o teto dos juros baixem dos atuais 3,06% ao mês para o mesmo limite previsto para os empréstimos pessoais com desconto na folha do INSS, hoje em 2,14% ao mês.

“Queremos o mesmo patamar de juros para as duas operações, tanto no empréstimo pessoal quanto na dos cartões de crédito. Os bancos não perdem em nenhuma das duas formas. O pagamento está garantido para as instituições financeiras conveniadas pelo fato de ser feito com desconto em folha nos dois casos”, argumenta o presidente da Confederação Brasileira dos Aposentados (Cobap), Warley Martins.

Inicialmente, a reunião estava marcada para o último dia 16 com o ministro da Previdência Social, Garibaldi Alves Filho, e o ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho. Mas por conta de falta de espaço nas agendas oficiais, a reunião foi transferida para quarta-feira. Só que o representante do governo na mesa de negociação será o secretário de Políticas de Previdência Social, Benedito Brunca.

De acordo com os últimos dados do ministério, as operações com cartão de crédito com pagamento da fatura com desconto em folha registraram aumento de 893,15% entre março do ano passado e o mesmo mês de 2014. A quantidade de contratos assinados para aposentados usarem cartão passou de 482 operações a 4.787. O valor movimentado na comparação entre os dois períodos subiu de R$ 1,038 milhão para R$ 12,866 milhões, alta de 1.139%,49%.

Levantamento feito pela assessoria econômica da Cobap, ao analisar dados do indicador ampliado do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) em junho, revelou que 22,28% das pessoas endividadas têm mais de 65 anos de idade. O assessor econômico da confederação, Maurício Oliveira, avalia que as principais causas para a inadimplência dos idosos no país são: redução do valor das aposentadorias, aumento das despesas com remédios e planos de saúde, facilidade de pegar empréstimos consignados para descontar no contracheque e a prática de emprestar o nome para que os parentes ou outras pessoas façam compras a prazo usando os dados do aposentado.

CUSTO EMBUTIDO

Segundo a Instrução Normativa 28, que regulamenta o consignado, o teto dos juros, no caso do cartão em 3,06% ao mês, já prevê todos os custos da operação de crédito, ou seja, o custo efetivo. Já margem consignável, que é o valor máximo da renda a ser comprometida, não pode ultrapassar 30% do valor do benefício, dividida em: 20% para empréstimos e 10% para o cartão.

ORÇAMENTO 2015

Para o presidente da Cobap, Warley Martins, a redução da taxa de juros no cartão de crédito ajudará a amenizar essa situação. De acordo com o dirigente, a reunião também vai tratar do orçamento da Previdência para o próximo ano. Ele lamentou, no entanto, não ter conseguido colocar na pauta do encontro o tema aumento real para os benefícios acima do mínimo.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia