Pibinho é reduzido de novo

Expectativa do mercado para o crescimento da economia recua de 0,90% para 0,86%

Por felipe.martins , felipe.martins

Rio - A projeção de economistas de instituições financeiras para o crescimento da economia brasileira este ano indica, pela 10ª semana consecutiva, piora, com expectativa de recuo para a indústria. Já o cenário traçado para a inflação mostra mais um pequeno alívio.

Segundo pesquisa Focus, divulgada ontem pelo Banco Central (BC), a projeção para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) em 2014 agora é de 0,86%, contra 0,90% na semana anterior. Em 2013, o PIB — soma de todos os bens e serviços produzidos no país durante um ano — fechou em 2,5%.

A indústria é um dos setores que mais vêm sendo afetados pela desaceleração da economia brasileiraDivulgação

Um dos principais pesos sobre a economia, o da indústria, indica perspectiva de retração para 1,53%, ante 1,15% o mês anterior. Em junho, a produção industrial brasileira recuou 1,4%, no quarto mês seguido de queda, representando a pior série de perdas desde 2010, de acordo com a pesquisa.

Para 2015, a projeção para o crescimento do PIB feita pelos empresários permaneceu em 1,5%. A estimativa de expansão na indústria brasileira para o ano chega a 1,7%. Já, segundo a pesquisa do Banco Central, a avaliação da inflação indica que a elevação dos preços vem perdendo força há três semanas. Os agentes econômicos consultados na Focus projetam agora a alta do IPCA em 2014 em 6,39%, 0,02% a menos do que na pesquisa anterior.

Assim, a projeção se afasta um pouco do teto da meta de inflação estipulado pelo governo federal, que é de 6,5%. O centro da meta é 4,5%. Depois de o IPCA ter superado o teto em 12 meses em junho, quando ficou em 6,52%, os analistas esperam agora a divulgação dos números de julho na sexta-feira.

Professor de economia do Ibmec-DF, Ricardo Stefani diz ser normal o mercado fazer previsões mais ou menos otimistas. “O empresário é inteligente e nunca irá dizer ao governo que está satisfeito. Sempre vai querer mais”, diz. Mas ele destaca que o mercado está estabilizado e preparado para inflação um pouco maior ou pouco menor até o fim do ano e no próximo, independentemente de quem assumir o governo em janeiro.

Pedidos de falência crescem 23%

Os pedidos de falência no Brasil aumentaram 23,7% em julho em comparação com o mês anterior, com 141 requerimentos, segundo dados divulgados ontem pela Serasa Experian. Frente a julho de 2013, houve alta de 3,7%.

Economistas da entidade informaram que o início do segundo semestre foi marcado por “dificuldades impostas pela atual conjuntura adversa — juros altos, estagnação da economia e elevação de custos — afetando a saúde financeira das empresas.”

Conforme a Serasa, o número de falências decretadas também cresceu em julho, para 63, contra 48 em junho. No ano, houve, porém, queda ante as 69 falências de junho 2013.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia