Judicialização contra convênios de saúde cresce

Acórdãos do Superior Tribunal de Justiça triplicam em quatro anos. TJ-RJ tem cinco mil novas ações na área

Por thiago.antunes

Rio - Quando o assunto é saúde, a palavra final é do juiz. Essa tem sido a tônica de milhares de procedimentos médicos que vão parar nos tribunais brasileiros devido a litígios entre usuários de planos de saúde e operadoras. Em um mercado crescente, que conta com 72 milhões de beneficiários no país, o volume de ações cresce ano a ano, onerando a Justiça, as operadoras e os próprios clientes.

No sistema de buscas do Superior Tribunal de Justiça (STJ), o número de acórdãos envolvendo planos de saúde triplicou entre 2011 e 2014. Naquele ano, o tribunal publicou 83 decisões em disputas relativas às empresas. Nos anos seguintes, o número subiu sempre na faixa dos dois dígitos, chegando a 250 acórdãos em 2014.

Judicialização contra convênios de saúde cresce e acórdãos do Superior Tribunal de Justiça triplicam em quatro anos. TJ-RJ tem cinco mil novas ações na áreaArte%3A O Dia

O Tribunal de Justiça do Rio também está abarrotado com ações. Somente em 2014, 5.594 novos processos relativos ao acesso à saúde foram ajuizados no Tribunal, tanto na rede pública quanto na suplementar. A maioria dos pedidos diz respeito à cobertura para internação hospitalar e realização de exames e cirurgias.

A queda de braço entre clientes e operadoras tem dois lados bem definidos. Entidades de defesa do consumidor, advogados e beneficiários vêem práticas e cláusulas abusivas nos contratos. Já as operadoras argumentam que os usuários recorrem à Justiça para pleitear coberturas que não estão previstas. Em muitos casos, os juízes costumam adotar entendimentos pró-consumidor.

Para Melissa Areal Pires, advogada especializada em causas de saúde, como o contrato é de adesão, ou seja, não há margem para negociação com a empresa, os planos inserem cláusulas abusivas, não restando alternativa a não ser ir à Justiça, quando um serviço é negado. “Não adianta as operadoras tentarem inverter a situação. A maioria das decisões é a favor do consumidor, o que mostra que o plano está descumprindo a lei. Se há abuso de processos, é por falta de informação do consumidor, que não é informado claramente de seus direitos na hora da contratação”, afirma a especialista.

Na visão das empresas, existe um excesso de busca pela Justiça, com pedidos que extrapolam não só o contrato, mas também o rol de procedimentos obrigatórios definidos pela Agência Nacional de Saúde (ANS), como tratamentos experimentais, por exemplo. A Unimed Brasil, que viu o número de ações judiciais saltar 24% nos últimos três anos, entende que os clientes economizam na hora de adquirir o convênio e usam a Justiça para passar por cima dos contratos.

“Clientes adquirem planos com menos opções e recursos para que seja possível contar com um preço compatível com seus orçamentos, mas acabam indo à Justiça exigir tratamentos e procedimentos que não estavam previstos em contrato. Essa situação causa um desequilíbrio nas finanças das operadoras”, afirma o diretor de Marketing e Desenvolvimento Social da Unimed Brasil, Edevard José de Araújo.

Segundo levantamento feito em sistemas Unimed com mais de 100 mil clientes, o impacto da judicialização no caixa da companhia é de R$ 50 milhões, o que representa entre e 0,5% à 2% do total de despesas assistenciais.

Para a Federação Nacional de Saúde Suplementar (Fenasaúde), a judicialização prejudica o conjunto dos usuários, pois alguns poucos beneficiários conseguem vantagens na Justiça, onerando o valor das mensalidades do restante dos usuários. “Essas concessões indevidas, que desconsideram o contrato entre operadora e beneficiário, trazem custos que são arcados pelos demais beneficiários que mantêm o plano”, informou a entidade em nota.

Planos não substituem o SUS

No entendimento das operadoras de planos de saúde, o sistema suplementar não pode ser visto como o SUS, dado que é operado por empresas privadas que precisam gerar lucro para continuar no mercado.

“Há uma certa confusão entre saúde suplementar e saúde pública. A saúde suplementar é algo adicional para quem opta por contratá-la. Temos noção da importância social que o plano tem, mas ele é um contrato assinado entre as partes, em que o consumidor tem opção de escolher”, afirma Aluízio Barbosa, superintendente jurídico da Associação Brasileira de Medicina de Grupo (Abramge).

A juíza Déborah Ciocci concorda que os dois sistemas (público e privado) não podem ser equiparados. Mas ela afirma que existem empresas que mantém práticas abusivas. “Há o lado de operadoras que não cumprem regras reiteradamente. Os dois lados têm um pouco de razão”, avalia.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia