Diretor da FAO diz que crise hídrica pode aumentar o preço dos alimentos

País terá que aumentar o estoque de alimentos e privilegiar culturas mais resistentes a seca, que deve ser mais frequente

Por victor.duarte

Brasília - A crise hídrica que o Brasil enfrenta não afeta apenas o abastecimento das cidades, mas pode prejudicar a oferta de alimentos nos mercados do país. Em entrevista à BBC, José Graziano da Silva, diretor-geral da agência da ONU para Alimentação e Agricultura (FAO), afirmou que a seca no país pode resultar no aumento do preço dos alimentos nos próximos meses.

José Graziano da Silva%2C diretor da FAO%2C diz que crise hídrica pode aumentar o preço dos alimentos no BrasilReuters

José Graziano destaca que o Brasil não faz uso da irrigação em grande escala e se beneficia muito de um sistema de chuvas regulares. Assim, o país terá que aumentar o estoque de alimentos e privilegiar culturas mais resistentes a seca, fenômeno que deve ser cada vez mais frequente por causa das mudanças climáticas.

Ele afirmou que espera a normalização das chuvas no próximo ano agrícola, que começa em setembro, mas até lá, o país deve enfrentar as fortes consequências da falta de água. Um dos principais agravantes é o aumento do preço por causa da quebra enorme da safra de todos os produtos, até mesmo da cana de açúcar, que é bastante insensível ao regime de chuvas

O diretor da FAO informou que algumas empresas já estão desenvolvendo variedades de alimentos resistentes a atual situação climática para se adaptar a seca.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia