Editorial: Recuo no IR é alento ao trabalhador

Felizmente, o governo recuou e parece ter chegado a acordo com o Congresso. Se não é a solução ideal para o impasse, é com certeza uma menos injusta

Por bferreira

Rio - São diversas as medidas de austeridade fiscal de que o governo dispõe; em crises significativas como esta, espera-se sacrifício de todos — mas, observando a máxima de “dar o frio conforme o cobertor”, deve-se observar o tempo todo as prerrogativas de isonomia. Não era o que estava acontecendo com o Imposto de Renda. Felizmente, o governo recuou e parece ter chegado a acordo com o Congresso. Se não é a solução ideal para o impasse, é com certeza uma menos injusta.

Como se explica a seguir: nos últimos meses travou-se batalha acerca da correção da faixa de renda a partir da qual se cobra imposto. Dentro do pacote fiscal defendido pelo governo, ajustaria-se esse piso em 4,5%, muito abaixo da inflação de 6,5% apurada no ano passado — e certamente bastante aquém da que deverá incidir sobre os preços este ano. Na prática, o Planalto abria ainda mais a bocarra do Leão, prejudicando multidão de trabalhadores e inativos.

Antes da rebeldiado Congresso, que nem sequer quis votar a MP que baixava o “pacote de maldades”, o governo se mostrava irredutível. Agora, fechou reajuste escalonado, que prevê os 6,5% a quem ganha menos e mantém os 4,5% inicialmente propostos para grandes vencimentos.

Mais uma vez, é importante que todos os brasileiros tenham ciência deste momento sensível da economia e se preparem para restrições. Mas não é justo que só uma parcela arque com essa conta, sem chance de defesa. Felizmente, isso foi revisto.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia