Cada vez mais empresas liberam funcionários para trabalhar em casa

Para driblar as barreiras, 56% dos profissionais brasileiros já possuem autorização para trabalhar em home office

Por helio.almeida

Rio - Há quatro anos, as amigas Renata Matos e Poliana Dias resolveram criar uma empresa. Desde o começo, elas optaram por trabalhar em casa. Com o home office, aproveitaram a experiência de não ter custo com aluguel de um espaço e por ser uma tendência que muitas empresas possibilitam aos seus funcionários.

Poliana (segurando agenda) e Renata%3A amigas usaram experiência para criar uma empresa home office e economizar aluguel de salaDivulgação


“Quem trabalha em casa não perde tempo com deslocamentos, trânsito”, alega Poliana. Mas é preciso disciplina. “Tive que explicar bem a minha família que não poderia parar toda hora para fazer tarefas de casa”, acrescenta Renata, que fez adaptação no quarto: tirou um armário para transforma-lo em escritório da empresa Artigos Comunicação.

Para driblar as barreiras, 56% dos profissionais brasileiros já possuem autorização para trabalhar em home office, segundo um estudo da Global Evolviam Forcejares, patrocinado pela Dell e Intel, que entrevistou cinco mil profissionais de 12 países.

Danielle decidiu recomeçar a profissão para ficar próxima das gêmeasDivulgação

A tendência mostra que o trabalhador busca cada vez mais qualidade de vida atrelada à renda, explica Júlio Correia, coach e consultor de carreiras da Eles Solutions. “As pessoas não querem ter chefe próximo, e outras nem pensam em ter um, ao mesmo tempo podem ficar com os familiares”, disse Júlio.

Para Mônica Carvalho, fundadora da Brasil Labore, defende o home office. Ela afirma que boa produtividade dependerá de cada profissional desenvolver a rotina de trabalho. “Cada pessoa vai encontrar a sua própria forma de trabalhar remotamente, contanto que seja de maneira produtiva”, ressalta Mônica.

Opção para ficar com filhas

A preocupação de deixar as filhas gêmeas de dez anos com alguém já não existe mais para Lidiane Cassão. Profissional de recursos humanos, há dois anos ela trabalha em casa. “Não tinha com quem deixar minhas filhas. Um dia conversei com o diretor se eu poderia trabalhar em casa, ele topou e atualmente vou poucas vezes na empresa”, disse.

Lidiane afirma que o lado bom é estar mais perto das meninas e longe de engarrafamentos. O ruim é que as tarefas de casa se misturam com as do trabalho. “É preciso ter disciplina. Se não souber usar o tempo a pessoa pode se enrolar”, disse a recrutadora.

Os filhos também foram determinantes para Danielle Fernandez, analista de treinamento na área de atendimento ao cliente há 11 anos, escolher o home office. Há quatro anos trabalha em casa, e assim tem mais tempo com as duas filhas, principalmente, depois da segunda gravidez.

Lidiane conseguiu com a direção da empresa a liberação para trabalhar em casa%2C e assim ficar com as filhasDivulgação

“Quando minha primeira filha nasceu, ela ficava com a minha mãe. Mas com o nascimento da segunda, percebi que minha mãe não conseguiria ficar com as duas”, lembra Danielle. “Pensei em colocá-las numa creche, mas desisti. Pedi demissão. Foi então que eu vi que poderia trabalhar com fotografia, algo que sempre gostei”.

Para não comprometer rendimento

> Tenha horário de expediente: é importante ser tolerante e flexível, mas tente manter horários regulares para o trabalho. Uma vez que o trabalho é estabelecido com um horário irregular, a relação com os clientes ou parceiros fica comprometida.

> Não exagere nas horas extras: o trabalho em casa pode facilitar o prolongamento ou a postergação do expediente, comprometendo a produtividade e prejudicando outras esferas da vida (familiar e social).

> Vista-se adequadamente: é essencial se vestir como se fosse trabalhar em outro ambiente. Isso ajuda a delimitar a transição de “home” para “office”.

> Receba parceiros e clientes: serviços de escritórios virtual, eventual ou mobiliado são fortes aliados neste momento. A solução padrão é fazer as reuniões fora do home office, num ambiente adequado.

> Não se contente com cantinho: é compreensível que o home office contenha o mínimo necessário. Após o retorno dos investimentos, deve-se levar em consideração fatores essenciais para a produtividade.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia