Cobap defende auditoria na Previdência

Sindicalistas não acreditam que receita de CPMF vai ser destinada à redução de déficit previdenciário

Por bferreira

Rio - O presidente da Confederação Brasileira de Aposentados e Pensionistas (Cobap), Warley Martins, defende uma auditoria completa nas contas da Previdência Social. “O déficit, na verdade, não existe. O governo não se cansa de desviar os recursos da Previdência Social para pagar os juros da dívida pública da União. Depois de tanta gastança, eles culpam os aposentados e pensionistas. Esse rombo foi feito exclusivamente pelo próprio governo”, diz o sindicalista.

A insatisfação com a volta da CPMF, anunciada pela governo na última semana, é forte entre os principais sindicatos que representam os aposentados no país. Além de afirmarem que não confiam na destinação do tributo para reduzir o déficit da Previdência Social, os representantes alegam que outras medidas poderiam ser tomadas para resolver o problema. Essas questões serão levadas pelos sindicalistas ao Fórum de Debates sobre Emprego, Trabalho e Renda e Previdência Social, instalado pelo governo este mês.

Para o presidente do Sindicato Nacional dos Aposentados, João Batista Inocentini, o déficit da Previdência se deve a medidas do próprio governo. “Nós entendemos que eles querem jogar a sociedade contra os aposentados. Não precisava inventar, já tem muito dinheiro na Previdência. O problema é que o governo deu exoneração de folha, incentivo fiscal, e a gente alertou que isso ia dar problema para nós. Não quiseram nos ouvir e agora a gente está vendo o resultado. Achamos inaceitável e vamos questionar até o fim”.

A presidenta da Federação dos Aposentados e Pensionistas do Estado do Rio, Yeda Gaspar, também questionou o uso da CPMF para a finalidade anunciada. “Eles estão querendo comover a população para ficar com pena dos velhinhos. Se o governo parasse de tirar os 20% da Seguridade Social para fazer o que bem quiser, sobraria dinheiro para a Previdência. O clima é de revolta geral”, afirmou.

Nas ruas, a insatisfação entre os aposentados também é grande. Para Aida Pires, 66 anos, o governo devia reduzir os ministérios, os cargos comissionados, antes de propor a criação de mais impostos.

“O governo já apanha muito nosso dinheiro para cobrar mais. Duvido que vá para a previdência, querem pegar nosso dinheiro para ajeitar o rombo que eles criaram”, disse. Não vou comprar mais quase nada. Se todos fizessem isso seria uma boa resposta”, afirmou.

Reportagem de Lucas Gayoso

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia