Mais Lidas

Estaleiro Eisa fecha as portas e demite três mil metalúrgicos

Trabalhadores fizeram protesto no Galeão

Por felipe.martins , felipe.martins

Rio - Cerca de três mil trabalhadores do estaleiro Eisa, na Ilha do Governador, na Zona Norte, um dos mais importantes do país, foram demitidos ontem. Com salários atrasados e apenas uma parte do décimo terceiro pago, os funcionários chegaram pela manhã ao local e encontraram as portas lacradas. Eles foram desligados por carta do grupo, pertencente ao empresário German Efromovich — também dono da Avianca —, alegando dificuldades financeiras da indústria naval e offshore.

Sem perspectivas de pagamento, os funcionários protestaram pelas ruas do bairro e seguiram até o Aeroporto do Galeão. À tarde, o Sindicato dos Metalúrgicos do Rio de Janeiro (Sindimetal-Rio) se reuniu com a direção do estaleiro para discutir as rescisões. No entanto, segundo o presidente da entidade, Jesus Cardoso, “não há perspectivas para pagamento dos demitidos”. Hoje, os trabalhadores farão outra manifestação, a partir das 7h, em frente ao terminal.

Ex-funcionários fizeram protesto no GaleãoDivulgação

“Eles apenas confirmaram as demissões, mas não se comprometeram a pagar os direitos dos trabalhadores. Disseram que a medida teve que ser tomada devido à crise econômica. O máximo que conseguimos extrair deles foram promessas de que retomando as encomendas, as demissões poderiam ser canceladas”, afirmou Cardoso.

Ainda segundo o presidente da entidade, apenas os trabalhadores que ganham até R$ 3 mil foram pagos. O restante continua sem salário. Ele lembrou ainda que os funcionários não receberam o reajuste de 9,8%. O presidente do Sindmetal afirma que a entidade deve reivindicar na justiça os pagamentos.

Em outubro, 700 trabalhadores do estaleiro já haviam sido demitidos, porém, Cardoso afirma que eles estavam recebendo o pagamento referente à rescisão dos contratos.  O Estaleiro Eisa atende encomendas para a Marinha do Brasil, Brasil Supply, Log-In e Astromarítima. No ano passado, já dava sinais da crise, tendo operações suspensas por mais de três meses e deixando de pagar por esse período 3.200 funcionários.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia