Alunos brasileiros perdem 10% das aulas com professor que atrasa e sai mais cedo

Do total de 200 dias letivos do ano, 20 são desperdiçados (10%); em países desenvolvidos porcentual é perto de zero

Por nicolas.satriano

São Paulo - Do total de 200 dias letivos do ano escolar aos quais os alunos brasileiros têm direito, 20 dias são desperdiçados por conta de atrasos dos professores, saídas dos docentes antes do término da aula e com outras atividades que nada tem a ver com o ensino e a aprendizagem. Nesse cálculo sequer foi considerado o tempo perdido com a contenção da bagunça e com a realização de outras atividades pelo professor, como a realização de chamada e a entrega de trabalhos escolares.

Alunos brasileiros perdem 10% das aulas com professor que atrasa e sai mais cedoDivulgação SEE

O desperdício de 10% dos dias letivos é uma das constatações presentes na mais recente pesquisa publicada pelo Banco Mundial, a Great Teachers: How to Raise Student Learning in Latin America and the Caribbean (Grandes professores: como melhorar o aprendizado dos estudantes na América Latina e no Caribe, em português).

O estudo da instituição - reconhecida por elaborar uma série de pesquisas para subsidiar políticas públicas na área da educação - foi feito em mais de 15 mil salas de aula de três mil escolas primárias e secundárias em sete países latinos, incluindo o Brasil. Na América Latina, como um todo, o porcentual do "desperdício" é de 9%.

Segundo o Banco Mundial, esse desperdício constatado em outros países da região e também no Brasil é causado pelo fato de os professores "estarem fisicamente ausentes da sala de aula, chegarem atrasados, saírem mais cedo ou realizarem outras atividades da escola no horário da aula", afirma estudo.

O tempo perdido também é consequência de os docentes estarem "ocupados com interações sociais com alguém na porta da sala de aula ou simplesmente por não estão interagindo com a turma", diz publicação.

A situação, segundo o estudo, se reflete nos "parcos resultados educacionais" apresentados pelos países da região, explica, por meio de comunicado, Barbara Bruns, economista-chefe do Banco Mundial na área de educação para a América Latina e o Caribe e autora do relatório.

Nos países desenvolvidos, diz o estudo, o índice de desperdício de tempo se aproxima de zero. O relatório ainda afirma que, nas melhores escolas, os docentes "nunca saem da sala de aula".

Reportagem de Davi Lira

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia