Por cadu.bruno

Rio - O Papa Francisco fez discurso na manhã desta quinta-feira na comunidade de Varginha, no Complexo de Manguinhos, na Zona Norte. O pontífice mostrou bom-humor e usou expressões tipicamente brasileiras ao falar com os moradores. Sobre um palco montado em um campo de futebol na comunidade, o Santo Padre fez até uma brincadeira com a cachaça.

"Desde o início, quando planejava minha visita ao Brasil, o meu desejo era poder visitar todos os bairros deste país. Queria bater em cada porta, dizer 'bom dia', pedir um copo de água fresca, beber um cafezinho. Não cachaça!", afirmou o Papa, sorrindo.

Papa recebe carinho de fiéis em VarginhaReprodução TV

O pontífice também falou sobre a famosa receptividade brasileira. "Sei bem que quando alguém que precisa comer bate na sua porta, vocês sempre dão um jeito de compartilhar a comida: como diz o ditado, sempre se pode 'colocar mais água no feijão'! Se pode colocar mais água no feijão? Sempre! E vocês fazem isto com amor, mostrando que a verdadeira riqueza não está nas coisas, mas no coração", disse.

Papa foi recebido por centenas de moradores na comunidade de VarginhaReprodução TV

Francisco convocou os jovens a não perderem a esperança e pediu ao poder público esforço para construir um mundo mais justo. "Eu gostaria fazer uma chamada aos que têm mais recursos, aos poderes públicos e a todos os homens de boa vontade comprometidos com a justiça social: que não se cansem de trabalhar por um mundo mais justo e mais solidário. Ninguém pode permanecer indiferente diante das desigualdades que ainda existem no mundo", pediu.

Durante o trajeto, Francisco abençoou crianças que eram levadas até ele pelos seguranças. Na chegada à favela, muitas pessoas gritavam o nome do pontífice e algumas faixas foram estendidas nas grades, contra as remoções forçadas e pedindo justiça pelos mortos nas comunidades.

Antes do discurso, um dos jovens da comunidade usou o microfone para das boas vindas ao Papa.

"A sua vinda, Pai Francisco, nos levou à mídia nacional e internacional. Ruas foram asfaltadas, as lixeiras foram melhor distribuídas e outras melhorias foram feitas. Esperamos que isso continue", disse ele, lembrando que a comunidade sofre com enchentes quando chove forte.

Recepcionado por crianças, Francisco ganhou um colar colorido. Depois, fez uma pausa no percurso e entrou em uma capela dedicada a São Jerônimo Emiliano. "Pai abençoe esse altar que preparamos para ver seus mistérios", disse. Um morador deu ao Papa uma faixa do time argentino San Lorenzo, do qual Francisco é torcedor.

Papa recebe chave da cidade

O Papa Francisco recebeu a chave da cidade das mãos do estudante Guilherme de Lima Sales em cerimônia rápida na manhã desta quinta-feira, no Palácio da Cidade, sede da prefeitura do Rio, em Botafogo, na Zona Sul. O pontífice ainda abençoou as bandeiras olímpicas e paralímpicas. O jovem Guilherme sofre de uma doença degenerativa na coluna e é cadeirante.

O pontífice cumprimentou personalidades do esporte brasileiro, além de políticos e do prefeito Eduardo Paes e do governador Sérgio Cabral. O ex-jogador de basquete Oscar Schmidt, que luta contra um câncer, se ajoelhou ao encontrar o Papa. Ele então recebeu uma oração do pontífice.

Papa recebeu a chave da cidade das mãos de Eduardo PaesAlessandro Costa / Agência O Dia

Não estava previsto um discurso no local, mas um microfone foi instalado para o Papa. Aproveitando a oportunidade, Francisco abençoou o local e pediu novamente para ser alvo de orações. "Rezem por mim", disse. Ele deixou o Palácio ao som de "Viva o Papa!"

Também participaram do encontro o presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), Carlos Arthur Nuzman, o coordenador técnico da seleção brasileira de futebol, Carlos Alberto Parreira, a líbero da seleção brasileira de vôlei Fabi e o ex-jogador Zico. O ex-jogador do Flamengo presenteou o pontífice com um camisa do time rubro-negra personalizada.






Você pode gostar