'Não quero transformar a visita do Papa em problemas pela cidade', diz prefeito

Paes reconhece falhas na organização do evento e divulga que fiéis terão espaço exclusivo para peregrinação da Central do Brasil até Copacabana

Por bianca.lobianco

Rio - O prefeito Eduardo Paes disse, em entrevista coletiva realizada nesta sexta-feira, que não quer transformar a visita do Papa em caos por conta da mudança da realização dos eventos da Jornada Mundial da Juventude de Guaratiba para Copacabana. O Campus Fidei, em Guaratiba, onde seria realizada uma vigília, se transformou em um grande lamaçal, em virtude dos temporais que atingiram a cidade nos últimos dois dias.

"Não vou transformar a visita do Papa em problemas pela cidade. A visita dele é uma alegria", disse após pedir compreensão dos moradores de Copacabana.

Papa rezou missa no Palácio São Joaquim%2C na Glória diante de milhares nesta sextaReprodução TV


Segundo o prefeito, o evento seria realizado em Guaratiba por conta de um pedido da Igreja. "A Igreja pediu aos governos, à Prefeitura que nós tivéssemos eventos não só em Copacabana, mas também em áreas mais pobres para não ficar aquela conversinha de que tudo é na Zona Sul", informou. Ainda de acordo com Paes, foi o próprio comitê organizador que informou que não haveria condições de o evento ser realizado em Guaratiba. 

Paes assegurou novamente que não houve gastos do dinheiro público para as obras. Todo o dinheiro usado foi do comitê organizado pela Igreja.

Segurança

Questionado sobre a infraestrutura em Copacabana para receber os fiéis, o prefeito disse que não haverá problema de segurança durante a vigília dos peregrinos, e comentou que as filas nos eventos serão inevitáveis, como toda grande atração.

Papa Francisco beijou diversas crianças durante passagem pelas ruas do CentroEfe

"Não há infraestrutura no mundo que receba 1,5 milhão de pessoas, que saia todo mundo junto e que não tenha filas. Não estamos falando de 70 mil pessoas saindo do Maracanã. Vai ter multidão, vai ter fila, é normal", afirmou.

Os fiéis vão ganhar um espaço exclusivo para peregrinação da Central do Brasil até Copacabana. O prefeito revelou que um corredor especial vai ser aberto para a vigília que será realizada no local no sábado, em substituição ao evento que aconteceria em Guaratiba.

"A peregrinação faz parte do ritual da vigília. O peregrino que vier pela Central do Brasil terá um corredor pelo Parque do Flamengo até Copacabana", disse o prefeito mais cedo em entrevista à Rádio CBN. O político também admitiu que a parte da organização que coube à prefeitura na JMJ deixou a desejar.

'Joguem na minha conta os problema'

"Se você me perguntar a nota da organização da Jornada, eu diria que estamos mais próximo de zero do que de dez. Eu trabalho para a perfeição, mas quando isso não acontece, eu não fico culpando ninguém e não fujo das responsabilidades. Joguem na minha conta os problemas, mas não vamos esculhambar nossa cidade. A organização não está bem, mas dou nota dez para a Jornada, para o Papa e para a população".

Eduardo Paes ressaltou que será montada estrutura para levar os fiéis da Zona Oeste até a Zona Sul. De acordo com ele, haverá mais ônibus em direção saindo do Terminal Alvorada, parada final do BRT Transoeste.

Sem pré-venda de bilhetes especiais

Segundo o secretário de Transportes Carlos Osório, não haverá pré-venda de ingressos do metrô por conta da falta de tempo. A caminhada será feita da Central do Brasil até Copacabana por um corredor montado exclusivamente para a Jornada Mundial da Juventude.

Papa tem sexta-feira agitada

O Papa Francisco tem agenda cheia nesta sexta-feira, quarto dia da Jornada Mundial da Juventude. O pontífice começou o dia com uma missa privada, às 7h30, na residência oficial da Arquidiocese do Rio, no Sumaré.

O primeiro evento público ocorreu às 10h, na Quinta da Boa Vista, onde ele ouviu a confissão de jovens participantes da JMJ. Às 11h30, ele teve um breve encontro com jovens detentos, no Palácio São Joaquim, sede da Arquidiocese, na Glória, Zona Sul da cidade.

Às 12h, o papa Francisco rezou a oração do Angelus, na sacada central do Palácio São Joaquim. Depois, ele se encontrou com organizadores e patrocinadores da Jornada Mundial da Juventude, no próprio palácio.

Além dos governos estadual e municipal do Rio, apoiam oficialmente o evento a Cruz Vermelha do Brasil e nove empresas privadas. Em seguida, às 13h, o pontífice almoçou com alguns jovens no Salão Redondo da sede da Arquidiocese.

No último evento do dia, o Papa assiste à encenação da Via Sacra, na Praia de Copacabana. Há a expectativa de que, durante o evento, Francisco abençoe quatro jovens sobreviventes do massacre da Escola Tasso da Silveira, em Realengo, em 2011, quando um ex-aluno entrou na escola e atirou em estudantes. Doze crianças morreram.


Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia